Reino Unido mantém confinamento por mais quatro semanas

Como se estava à espera, o Reino Unido não vai avançar com qualquer medida imediata de desconfinamento. Com o número de infetados e de mortos a aumentar, Boris Johnson promete rever os números dentro de duas semanas.

DR Daniel Leal-Olivas/ REUTERS

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, rodeado de Chris Whitty, o principal conselheiro médico do governo, e Patrick Vallance, conselheiro científico, confirmou o que já tinha sido não oficialmente avançado: o Reino Unido vai manter inalteradas por mais quatro semanas todas as medidas de confinamento importas por Downing Street. Em substância, isso quer dizer que o país manterá todos os bloqueios à entrada de cidadãos no espaço do Reino Unido.

Preocupado com a chamada variante Delta, Boris Johnson anunciou que os novos casos estão a crescer a um ritmo de 64% por semana e que os internamentos crescem 50% por semana. O primeiro-ministro disse que “ou aceitamos isto ou damos ao NHS (o SNS britânico) mais algumas semanas para vacinar mais pessoas”.

Johnson diz que está “confiante que o atraso de um mês para o levantamento das restrições será tudo o que é necessário” para controlar a pandemia e que se tivesse decidido uma abertura imediata isso só “levaria a mais infeções. Não podemos simplesmente eliminar a Covid-19 e devemos aprender a conviver com isso”.

Para Johnson, até 19 de julho, “dois terços dos adultos terão recebido duas doses”, no contexto em que a vacina para os maiores de 40 anos está a ser acelerada.

O primeiro-ministro disse ainda vai rever o quadro do confinamento dentre de duas semanas, e que nessa altura poderá acelerar “o levantamento das restrições restantes se os dados tiverem melhorado”.

“É a hora de desacelerar o porque, sendo cautelosos, agora temos a hipótese – nas próximas quatro semanas – de salvar muitos milhares de vidas vacinando milhões de outras pessoas. E uma vez que os adultos deste país tenham sido vacinados de forma esmagadora, que é o que podemos conseguir num curto espaço de tempo, estaremos em posição muito mais forte para manter baixas as hospitalizações, viver com esta doença e completar o nosso cauteloso mas irreversível caminho para a liberdade”, concluiu.

O Reino Unido registou esta segunda-feira 7.742 novos casos de coronavírus, de acordo com a última atualização do governo, num dia em que houve três novas mortes a registar. Os doentes internados aumentaram 15,2% a semana passada em relação à anterior, num quadro em que o número total de novos casos na semana passada é 45,5% maior que na semana anterior e o total de mortes semanais mais recente é 11,9% maior que no mesmo período comparável anterior. Cerca de 79,2% dos adultos no Reino Unido já receberam a sua primeira dose da vacina e 56,9% receberam as duas doses.

Recomendadas

Sindicatos reúnem-se com Governo para debater insolvência da Groundforce

A reunião, por videoconferência, deverá contar com a maioria das estruturas sindicais representadas na empresa, conta com a presença do secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, Hugo Mendes, e tem como objetivo informar os trabalhadores sobre o processo. 

Ilha de Santo Antão lidera cobertura da vacinação em Cabo Verde

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, e representantes de partidos políticos apelaram na segunda-feira à adesão da população à campanha de vacinação contra a covid-19, sobretudo na ilha de Santiago, onde o processo está mais atrasado.

Jovens saudáveis dos 12 aos 15 anos têm que esperar por ‘task force’ para vacinação

A DGS determina que as crianças com idades entre os 12 e os 15 anos que tenham cancro ativo, diabetes, obesidade, insuficiência renal crónica estão entre as que devem ser vacinadas prioritariamente contra a covid-19.
Comentários