Reino Unido perto de atingir dívida de 100% do PIB

Nunca em tempo de paz, segundo o Instituto de Estudos Fiscais, a dívida do Reino Unido foi tão grande. A pandemia e a falta dos ‘travões’ de Bruxelas explicam uma dívida de 2,14 biliões de libras.

O Instituto de Estudos Fiscais (IFS), um think tank altamente respeitado, analisou o aumento dos empréstimos lançados pelo governo britânico liderado pelo conservador Boris Johnson e afirma que a dimensão da dívida é um recorde em tempos de paz. São 2,14 biliões de libras, mais de 2,46 biliões de euros, que encostam a sua dimensão aos 100% do PIB do Reino Unido.

Citada pelo jornal The Guardian, Isabel Stockton, economista do IFS, diz que “os números confirmam que o endividamento atingiu um recorde em tempos de paz no exercício que terminou no mês passado, com uma estimativa inicial de empréstimos de 303 mil milhões de libras, ou quase 15% do PIB”.

Para a economista, “o aumento é inédito e destaca o impacto extraordinário da pandemia nas receitas e gastos do governo. Podemos esperar que essa estimativa seja revista em alta, talvez bastante significativamente, à medida que o não reembolso de empréstimos apoiados pelo governo às empresas venha a ser incorporado”.

Com “as taxas de juros mais baixas da história”, a dimensão da dívida é “perfeitamente gerível”, mas num quadro de aumento das taxas, que já foi antecipado por alguns analistas, “pode criar dificuldades para as finanças do governo” a prazo.

Embora os planos orçamentais mais recentes sugiram o regresso aos empréstimos do governo apenas para pagar os gastos com investimentos até 2025-26, “isso depende de uma rápida recuperação, grandes aumentos de impostos e gastos muito apertados”, refere o IFS.

Este é o primeiro ‘aperto’ em que o Reino Unido se vê involuntariamente envolvido (por causa da pandemia) sem poder beneficiar da almofada financeira criada pela União Europeia. Como não podia deixar de ser, a federalização da dívida comum dos 27 deixou de fora o Reino Unido, que assim tem de ‘correr por conta própria’ para financiar a paragem da economia, a sua subsistência em tempos de confinamento e a recuperação.

Como refere o IFS, se as muito baixas taxas de juros das dívidas soberanas ajudam a que o problema da dívida não seja urgente em termos de gestão orçamental, o certo é que qualquer alta dos mercados vai colocar grande pressão sobre o Reino Unido. Até porque, uma vez sozinho, não se sabe até que ponto os investidores têm ou não apetência por continuarem a suportar as necessidades de endividamento do país – que, por outro lado, está mais exposto à especulação dos mercados financeiros.

Se este cenário pouco positivo se vier a confirmar, Londres terá que produzir um orçamento mais restritivo e aumentar impostos para fazer face ao expansionismo que tem marcado a postura de Boris Johnson desde que assumiu funções de primeiro-ministro.

Ler mais
Recomendadas

Alemanha com 12.656 novas infeções e 127 mortes

A Alemanha, que este domingo alivia as restrições para os cidadãos vacinados, registou nas últimas 24 horas 12.656 novas infeções por covid-19 e 127 mortes, segundo dados do Instituto Robert Koch (RKI).

Índia com mais de 400 mil infeções pelo quinto dia consecutivo

A Índia registou este domingo mais de 400 mil novas infeções de Covid-19, pelo quinto dia consecutivo, e reportou mais de 4.000 óbitos diários, pelo segundo dia consecutivo, anunciou o Ministério da Saúde do país.

Esquerda Republicana deverá governar a Catalunha sem coligação

Junts per Catalunya diz que vai continuar a negociar, mas abre a porta a um possível apoio meramente parlamentar. Se não houver um novo governo de pleno direito até 26 de maio, novas eleições ficam automaticamente marcadas.
Comentários