Relatório diz que Trump não esteve em conluio com Rússia

O relatório de William Barr, procurador dos Estados Unidos, sobre a investigação de Robert Mueller, diz que não existem evidências de que Donald Trump tenha cometido algum crime mas também não o exonera.

O relatório realizado por Robert Mueller, procurador especial dos Estados Unidos, não encontrou evidência de que Donald Trump, presidente dos Estados Unidos, tenha estado em conluio com a Rússia e que este tenha obstruído a justiça, diz a Reuters.

Foi ainda referido num relatório do procurador William Barr, citado pela Reuters, sobre a investigação de Robert Mueller, que apesar do relatório “não concluir que o presidente cometeu um crime também não o exonera”.

De referir que Robert Mueller entrou o relatório na passada sexta-feira e neste domingo representantes dos partidos democrata e republicano já tinham pedido a sua divulgação para se trazer transparência sobre este processo.

A investigação abordava a alegada interferência da Rússia nas eleições dos Estados Unidos e já tinha resultado em vários acusações a conselheiros do presidente dos Estados Unidos.

 

Recomendadas

PremiumFuturo de Espanha decide-se a partir de Estremera

Hegemonia da ERC na Catalunha pode levar a maioria absoluta de esquerda liderada pelo PSOE de Pedro Sánchez, juntando também o Unidos Podemos.

Joana e Mariana Mortágua: “Leva o Bolsonaro para ao pé do Salazar”

“Ó meu rico Santo António, ó meu santo popular, leva lá o Bolsonaro, leva lá o Bolsonaro para ao pé do Salazar”. É assim a letra da música, que envolve o presidente do Brasil, cantada pelas deputadas do Bloco de Esquerda durante uma marcha do 25 de abril. A música foi cantada na presença de Catarina Martins, de Marisa Matias e de um deputado francês. O ditador António de Oliveira Salazar morreu em 1970.

Barclays passa de lucros a prejuízos e admite mais cortes de custos

Ainda segundo os resultados hoje conhecidos as receitas caíram 2% para 5,25 mil milhões de euros de libras (6,1 mil milhões de euros à taxa de câmbio atual), o que levou o banco a admitir que terá de reforçar o cortar custos se a queda de receitas persistirem no resto do ano.
Comentários