Remessas dos portugueses em Angola subiram 1,2% para 21,1 milhões em junho

Assim, os emigrantes portugueses nos PALOP enviaram 21,6 milhões de euros, o que representa uma subida de 0,23% face aos 21,5 milhões enviados em junho do ano passado.

As remessas enviadas pelos emigrantes portugueses em Angola subiram 1,2% em junho, para 21,1 milhões de euros, de acordo com os dados disponibilizados esta sexta-feira pelo Banco de Portugal (BdP).

De acordo com o regulador financeiro, os portugueses a trabalhar em Angola enviaram 21,16 milhões de euros, o que representa uma subida de 1,2% face aos 20,9 milhões de euros que tinham enviado em junho do ano passado.

Como é habitual, os dados de Angola representam a quase totalidade das verbas enviadas pelos portugueses nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

Assim, os emigrantes portugueses nos PALOP enviaram 21,6 milhões de euros, o que representa uma subida de 0,23% face aos 21,5 milhões enviados em junho do ano passado.

Em sentido inverso, os angolanos a trabalhar em Portugal enviaram para o seu país mais de 1 milhão de euros, o que representa uma subida de 53% face aos 660 mil euros enviados em junho do ano passado.

A nível global, as remessas dos emigrantes portuguesas subiram 6,9%, para 306,2 milhões de euros em junho face ao período homólogo de 2020, registando-se uma descida de 2,1% em França, um dos maiores mercados emissores destas receitas.

Os emigrantes portugueses na Suíça foram os que enviaram o maior montante para Portugal, 88,9 milhões de euros, o que representa uma subida de 9,25% face ao período homólogo e está ligeiramente acima do que foi enviado pelos emigrantes portugueses em França (88,6 milhões de euros).

Já os estrangeiros a trabalhar em Portugal enviaram em junho 45,7 milhões de euros, o que representa uma subida de 5,6% face aos 43,2 milhões enviados em junho do ano passado, de acordo com o BdP.

Recomendadas

São Tomé assumirá a próxima presidência da CPLP

De acordo com Santos Silva, a proposta partiu da Guiné-Bissau, que também se tinha mostrado interessada em assumir a presidência.

BAD aprova empréstimo a Cabo Verde para modernizar administração pública

O financiamento do banco visa melhorar a eficiência digital para uma melhor prestação de serviços públicos, modernização da administração, transparência e aumento do investimento do sector privado.

Portugal concede terceira moratória a Cabo Verde para o pagamento da dívida

O anúncio foi feito esta pelo Governo que aprovou uma nova suspensão do pagamento do serviço da dívida por parte da República de Cabo Verde, relativa aos empréstimos diretos concedidos.
Comentários