REN compra empresa de transporte de eletricidade no Chile por 167 milhões de dólares

Este é o segundo investimento da REN no Chile, onde detém, desde 2017, uma participação na empresa Electrogas, que opera o gasoduto que abastece de gás natural as principais geradoras de eletricidade do país e os distribuidores residenciais da cidade de Santiago do Chile.

A REN-Redes Energéticas Nacionais anunciou esta terça-feira a aquisição de uma empresa de transporte de eletricidade no Chile por um valor de 149 milhões de euros (167 milhões de dólares).

Assim, a empresa liderada por Rodrigo Costa assinou um contrato com as empresas Compañia General de Eletricidad SA e Naturgy Inversiones Internacionales SA para a aquisição de 100% da empresa de transporte Transemel.

Em comunicado, a REN informa que o contrato prevê que a conclusão da transação e a efetiva aquisição da Transemel pelo grupo REN se realize no início de outubro de 2019.

“A Transemel possui e opera 92 quilómetros de linhas de transmissão elétrica e 5 subestações, localizadas maioritariamente no Norte do Chile. Esta região é marcada pela forte influência da indústria mineira, estando uma das subestações localizada perto da maior mina de cobre do Mundo, em Calama, e pela crescente predominância de projetos de produção de energia renovável, fruto do grande potencial solar nessa zona do país”, explica a empresa em comunicado.

Este é o segundo investimento da REN no Chile, onde detém, desde 2017, uma participação na empresa Electrogas, que opera o gasoduto que abastece de gás natural as principais geradoras de eletricidade do país e os distribuidores residenciais da cidade de Santiago do Chile.

A REN explica esta operação como estando enquadrada no plano estratégico da REN, “que assenta numa estratégia de investimento internacional conservadora e com o objetivo de compensar o menor crescimento em Portugal” concentrando-se “em mercados com estabilidade económica e quadros regulatórios previsíveis”.

Ler mais
Recomendadas

PremiumAjustes na legislação laboral para teletrabalho

A crise de saúde pública trouxe a necessidade de novas formas e organização de trabalho, em que a imposição do teletrabalho foi a mais notória.

Seis startups e IPSS vencem prémios “Mais Ajuda”

Pixelability – Happies, Speak e The Inventors foram as empresas escolhidas. Quanto às instituições de solidariedade social, conquistaram o júri os projetos da Acreditar, Associação Portuguesa de Crianças Desaparecidas e Associação de Socorros Mútuos Mutualista Covilhanense.

Maioria das empresas portuguesas está sem modelos de ERM

Falar em “enterprise risk management” ainda é um problema para muitos gestores em Portugal. Antecipar cenários é uma ajuda ímpar porque identificam riscos e preveem impactos.
Comentários