REN obtém luz verde para investir 55 milhões no gás

O Governo aprovou o plano de investimento da REN no gás natural. A maioria dos investimentos diz respeito a projetos de remodelação e modernização da rede e infraestruturas já existentes.

O Governo aprovou o plano de investimentos da REN na rede de gás natural no valor de 55 milhões de euros.

Desta forma, o Executivo de António Costa aprovou o “plano de desenvolvimento e investimento na rede nacional de transporte, infraestruturas de armazenamento e terminal de gás natural liquefeito para o período 2018-2027”, anunciou a REN em comunicado divulgado na CMVM.

A companhia liderada por Rodrigo Costa destaca que a “aprovação contempla a generalidade dos projetos base propostos, deixando os projetos complementares para avaliação e decisão posterior”, segundo o comunicado.

Os projetos base aprovados são constituídos essencialmente por projetos de remodelação e modernização da rede e infraestruturas da REN já existentes.

A maioria deste investimento divide-se em três componentes. Os gasodutos da rede de transporte vão receber cerca de 20,9 milhões de euros. Já no armazenamento subterrâneo do Carriço, distrito de Leiria, a companhia vai investir 14,3 milhões. O terminal de gás natural liquefeito da REN em Sines vai receber investimentos de 13,8 milhões.

De fora dos projetos que vão avançar, está o terceiro gasoduto entre Portugal e Espanha e a respetiva estação de compressão do Carregado, investimentos que atingem os 139,1 milhões de euros. A REN considerou que estes projetos são complementares, deixando uma decisão sobre os mesmos para mais tarde. Esta terceira interligação deverá ligar por gasoduto Celorico da Beira a Vale dos Frades, em Portugal, e a Zamora, no lado espanhol.

Quando foi chamada a pronunciar-se sobre estes investimentos, a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) deu o seu aval aos projetos base.

“A ERSE considera que estes três conjuntos de investimentos devem ser concretizados, razão pela qual apoia a sua aprovação em sede de PDIRGN 2017”, decidiu em 2018 o órgão regulador presidido por Maria Cristina Portugal.

A REN já declarou que pretende investir mais de 500 milhões de euros na sua rede em Portugal até  2021, conforme anunciou em 2018 a empresa durante a apresentação do seu plano de investimentos entre 2018-2021.

A média anual de investimentos ascende a um valor entre os 120 milhões a 145 milhões de euros. Nos anos anteriores, a REN investiu um total de 560 milhões de euros entre 2015 e 2017.

Do plano de investimentos, a companhia planeia investir entre 90 milhões e 110 milhões  por ano na rede de transporte de eletricidade e entre 20 milhões e 25 milhões na rede de transporte de gás natural.

As linhas elétricas entre Ponte de Lima e Famalicão, Vieira do Minho e Ribeira de Pena-Feira, assim como novas linhas eléctricas subterrâneas em Lisboa e no Porto, a par dos eixos Falagueira-Estremoz-Divor-Pegões e Fundão-Falagueira, são alguns dos projetos planeados pela REN até 2021.

 

Ler mais
Recomendadas

Novo aeroporto do Montijo: Câmara da Moita dá parecer negativo ao Estudo de Impacte Ambiental

“O município da Moita fundamenta a sua oposição ao projeto num conjunto de impactes negativos no território, no ambiente, na saúde, na segurança pública e nos valores culturais e patrimoniais existentes”, afirmou a autarquia.

Fitch: multa da Concorrência aos bancos pode dificultar resultados

“No total, os 225 milhões de euros em multas contariam menos de 20% dos lucros do setor de 2018”, disse a agência de notação.

Galp é a petrolífera mais sustentável do mundo, garante índice de sustentabilidade da Dow Jones

A petrolífera portuguesa arrecadou o primeiro prémio na versão europeia do índice, liderando na categoria ‘Oil & Gas Upstream & Integrated’. No índice mundial concorriam 52 empresas, sendo que a empresa conquistou a terceira posição.
Comentários