REN vai investir mais de 900 milhões de euros até 2024 (com áudio)

No plano de investimentos anterior, a companhia previa investir 500 milhões de euros na sua rede.

A REN vai investir mais de 900 milhões de euros até 2024, anunciou hoje a empresa liderada por Rodrigo Costa. No ciclo anterior, a companhia previa um investimento de 500 milhões de euros na sua rede.

O investimento em Portugal vai rondar os 190/200 milhões de euros por ano durante este período, mais 40% face ao plano de investimento anterior, entre 2018 e 2020.

No outro mercado onde está presente, no Chile, a empresa espera investir entre 10 a 15 milhões de euros por ano, face aos oito milhões anuais no plano anterior.

Para onde é que vai este investimento? A maioria (150 a 175 milhões de euros por ano) destina-se ao investimento na rede de eletricidade. Deste valor, 75% destina-se à expansão da rede, com os restantes 20%-25% a terem como fim a modernização, aumento da resiliência e adaptação às alterações climáticas da rede de muito alta tensão.

Já a rede de transporte de gás natural vai ser alvo de um investimento anual entre os 15 a 20 milhões de euros. Para a rede de distribuição de gás, a Portgás, a empresa destina 25 milhões anuais.

Recomendadas

PRR serve “quem já está à mesa do Orçamento”, diz Viriato Soromenho-Marques

De acordo com o professor na Universidade de Lisboa, o Plano de Recuperação e Resiliência privilegia os grandes grupos económicos: “Essas pessoas não precisam de nenhum partido, já lá está o partido que lhes serve os interesses, já está instalado”.

Milhões da Europa começam a chegar este ano para o hidrogénio verde

O Plano de Recuperação e Resiliência vai começar a distribuir apoios já este ano e vai ser lançado um leilão para atribuir apoios. Várias empresas estão já a trabalhar para desenvolver um ‘cluster’ industrial de H2 verde de Sines.

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.
Comentários