REN vai investir mais de 900 milhões de euros até 2024 (com áudio)

No plano de investimentos anterior, a companhia previa investir 500 milhões de euros na sua rede.

A REN vai investir mais de 900 milhões de euros até 2024, anunciou hoje a empresa liderada por Rodrigo Costa. No ciclo anterior, a companhia previa um investimento de 500 milhões de euros na sua rede.

O investimento em Portugal vai rondar os 190/200 milhões de euros por ano durante este período, mais 40% face ao plano de investimento anterior, entre 2018 e 2020.

No outro mercado onde está presente, no Chile, a empresa espera investir entre 10 a 15 milhões de euros por ano, face aos oito milhões anuais no plano anterior.

Para onde é que vai este investimento? A maioria (150 a 175 milhões de euros por ano) destina-se ao investimento na rede de eletricidade. Deste valor, 75% destina-se à expansão da rede, com os restantes 20%-25% a terem como fim a modernização, aumento da resiliência e adaptação às alterações climáticas da rede de muito alta tensão.

Já a rede de transporte de gás natural vai ser alvo de um investimento anual entre os 15 a 20 milhões de euros. Para a rede de distribuição de gás, a Portgás, a empresa destina 25 milhões anuais.

Recomendadas

Bruxelas propõe dotar UE de nova ‘arma’ para contra-atacar “coerção económica”

De acordo com Bruxelas, “o objetivo é dissuadir os países de restringir ou ameaçar restringir o comércio ou o investimento para provocar uma mudança de política na UE em áreas como as alterações climáticas, a tributação ou a segurança alimentar”.

Governo anuncia recrutamento de 200 trabalhadores para reforçar Autoridade Tributária

Autorização foi dada esta semana pelo ministro das Finanças. João Leão, e revelada esta terça-feira, pelo secretário de Estado Adjunto e dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

Rob McCargow: “A literacia digital passou a ser obrigatória nas administrações”

O diretor de Inteligência Artificial da consultora PwC United Kingdom defende que as empresas têm um papel a desempenhar no enquadramento do desenvolvimento da inteligência artificial, em vez de ficarem à espera de governos e reguladores, mas que os decisores têm de ter maior conhecimento sobre tecnologia.
Comentários