PremiumRenato do Carmo: “Para ser empreendedor é preciso ter uma base de segurança mínima”

Sociólogo e investigador no Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa, Renato do Carmo é também coautor do livro “Retratos da precariedade”. Ao JE, explica os múltiplos efeitos da precariedade e o seu impacto nas relações laborais, e defende que não se deve abusar dos mitos sobre o futuro.

Uma das últimas advertências da Comissão Europeia a Portugal é que o país tem demasiados contratos a termo, identificando a necessidade de transitar para contratos a longo prazo. Como é que se faz esta transformação?

Também a Organização Internacional do Trabalho já tinha alertado sobre os problemas crescentes relacionados com a segmentação do mercado de trabalho e com os contratos a termo e as várias modalidades de precariedade. Atinge não só os mais jovens, mas tende também a ser transversal. Estes problemas são já anteriores à crise, mas há um agravamento durante o período da crise e da austeridade.

Foi muito profundo no mercado de trabalho, em que se foram generalizando um conjunto de práticas de contratação muito difíceis de regular, que têm múltiplas configurações. É um trabalho que tem de ser feito.

Demora tempo, mas acho que nestes últimos cinco anos se tentou avançar no combate à precariedade no setor público. No setor privado é muito mais complicado. É um período que coincide com o crescimento num conjunto de setores que se dinamizaram bastante, como o turismo, a restauração, a hotelaria.

Setores em que houve um grande aumento da dinâmica económica e também do emprego, mas o emprego criado nesses setores foi um emprego precário. As pessoas têm situações salariais bastante baixas. Agora já não num contexto de austeridade, mas que não rompeu com práticas anteriores e isso tem que ser politicamente combatido.

Artigo publicado na edição semanal de 9 de agosto, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Recomendadas

PremiumComic Con Portugal. Personagens da cultura pop voltam a sair do papel

Depois de receber mais de 108 mil visitantes em 2018, a Comic Con Portugal volta na quinta-feira ao Passeio Marítimo de Algés cheia de surpresas. Música, cinema e concursos de fatos constam do programa de um evento que contará, entre outros, com a ‘Eleven’ da série “Stranger Things”.

PremiumIdan Ofer. Magnata israelita pôs o Famalicão à frente da Liga

Desafiado por Jorge Mendes a investir no futebol nacional, o acionista do Atlético Madrid comprou a sociedade anónima desportiva do Famalicão, apostou na subida de divisão e, concretizado esse passo, encheu o plantel com jovens emprestados por gigantes europeus ligados ao superagente. Chega à quarta jornada da Liga NOS empatado com o Sporting na liderança.

PremiumSoft Sponsoring. Publicidade escondida com o carro de fora

Dezenas de marcas de automóveis estão a apostar numa estratégia de marketing dirigida à mente dos consumidores quando estão atentos ao que se passa no pequeno ecrã. É uma publicidade visível, mas que passa despercebida porque os produtos exibidos se confundem com os protagonistas das telenovelas ou dos programas de entretenimento.
Comentários