PremiumRenato do Carmo: “Para ser empreendedor é preciso ter uma base de segurança mínima”

Sociólogo e investigador no Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa, Renato do Carmo é também coautor do livro “Retratos da precariedade”. Ao JE, explica os múltiplos efeitos da precariedade e o seu impacto nas relações laborais, e defende que não se deve abusar dos mitos sobre o futuro.

Uma das últimas advertências da Comissão Europeia a Portugal é que o país tem demasiados contratos a termo, identificando a necessidade de transitar para contratos a longo prazo. Como é que se faz esta transformação?

Também a Organização Internacional do Trabalho já tinha alertado sobre os problemas crescentes relacionados com a segmentação do mercado de trabalho e com os contratos a termo e as várias modalidades de precariedade. Atinge não só os mais jovens, mas tende também a ser transversal. Estes problemas são já anteriores à crise, mas há um agravamento durante o período da crise e da austeridade.

Foi muito profundo no mercado de trabalho, em que se foram generalizando um conjunto de práticas de contratação muito difíceis de regular, que têm múltiplas configurações. É um trabalho que tem de ser feito.

Demora tempo, mas acho que nestes últimos cinco anos se tentou avançar no combate à precariedade no setor público. No setor privado é muito mais complicado. É um período que coincide com o crescimento num conjunto de setores que se dinamizaram bastante, como o turismo, a restauração, a hotelaria.

Setores em que houve um grande aumento da dinâmica económica e também do emprego, mas o emprego criado nesses setores foi um emprego precário. As pessoas têm situações salariais bastante baixas. Agora já não num contexto de austeridade, mas que não rompeu com práticas anteriores e isso tem que ser politicamente combatido.

Artigo publicado na edição semanal de 9 de agosto, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Ler mais
Recomendadas

PremiumImpressoras 3D transformam indústrias à boleia da era digital

Na quarta revolução industrial, as impressoras 3D já desempenham um papel relevante na produção de quase tudo, incluindo órgãos humanos. De acordo com um estudo do banco Internationale Nederlanden Groep, estima-se que, nas próximas duas décadas, um em cada dois produtos industriais será impresso a três dimensões.

PremiumAgnès Buzyn: De ministra da Saúde a candidata à Câmara de Paris

O seu percurso tem sido marcado pela medicina, mas agora Agnès Buzyn decidiu abraçar um novo desafio e substituir Benjamin Griveaux, antigo cadidato do partido de Emmanuel Macron, A República em Marcha, à câmara da capital francesa.

PremiumRacismo no desporto: O planeta dos macacos

Esporádicos, isolados, pontuais. É assim que normalmente são descritos os episódios de racismo no desporto, que existem há décadas, são uma constante em alguns recintos e nada indica que venham a desaparecer. Pedro Almeida, investigador e autor da tese ‘Futebol, raça e Nação’ prefere a realidade aos eufemismos: existe racismo no futebol porque a sociedade portuguesa é, no seu coletivo, profundamente racista. Outra coisa seria difícil de suceder num país que tem o mais longo histórico de colonialismo do mundo.
Comentários