Renault regista perda recorde de 7,3 mil milhões de euros no primeiro semestre

No início do ano, o fabricante automóvel francês anunciou as primeiras perdas na última década, ainda antes de a crise provocada pela pandemia da covid-19 ter agravado a situação no setor.

O construtor automóvel francês Renault sofreu a maior perda líquida da sua história no primeiro semestre do ano, de 7,3 mil milhões de euros, anunciou hoje a empresa.

Em comunicado, a Renault justificou as perdas com a crise sanitária e os resultados do parceiro japonês Nissan.

A Nissan registou perdas de 4,8 mil milhões de euros, informou o fabricante francês, estimando que o impacto negativo da covid-19 nas margens operacionais do grupo representou cerca de 1,8 mil milhões de euros.

O grupo, já em dificuldades antes da pandemia do novo coronavírus, tinha anunciado no final de maio a supressão de 15 mil postos de trabalho em todo o mundo, 4.600 dos quais em França, uma medida para reduzir custos em dois mil milhões de euros.

No início do ano, o fabricante automóvel francês anunciou as primeiras perdas na última década, ainda antes de a crise provocada pela pandemia da covid-19 ter agravado a situação no setor.

Ao contrário do que é habitual, o fabricante automóvel indicou que não faria qualquer previsão de resultados financeiros para 2020, tendo em conta as incertezas ligadas à pandemia de covid-19.

Ler mais
Relacionadas

Vendas da Renault afundaram no primeiro semestre, mas elétrico Zoe cresceu 50%

O elétrico citadino Zoe registou um crescimento das vendas no valor de 50% no primeiro semestre, contribuindo para mitigar as quebras registadas nas vendas globais.

Carlos Ghosn: “Acho que os resultados da Renault e Nissan são patéticos”

“Pessoalmente, acho que os resultados da Nissan e da Renault são patéticos. As duas empresas estão a olhar para dentro. Não existe uma mistura da gestão entre a Renault e a Nissan, mas uma distância desconfiada”, sustentou o ex-presidente da Nissan e Mitsubishi em entrevista ao jornal francês “La Parisien”.

Nissan prevê perdas de 3,8 mil milhões de euros devido à pandemia

O segundo maior fabricante japonês está a prever uma perda operacional de 4,5 mil milhões de dólares, um valor muito em cima das previsões dos analistas.

Nissan planeia corte de 30% na produção

A Nissan pretende reduzir o número de carros de produz de 2,6 milhões de veículos entre abril e dezembro, em comparação aos 3,7 milhões, do ano passado

Carros alemães e franceses são os mais procurados pelos portugueses

Entre as 10 marcas mais procuradas, o destaque vai para os fabricantes alemães com cinco presenças (Mercedez-Benz, BMW, Audi, Volkswagen e Opel), seguem-se as marcas francesas (Renault, Peugeot e Citroen).

Marcas mantêm aposta no carro elétrico apesar da pandemia

Marcas automóveis acreditam que a caminhada rumo a uma maior mobilidade elétrica da sociedade é imparável, mas defendem que o setor precisa de apoios para retomar vendas e superar crise.

Vendas globais da Nissan caíram 41,6% em abril

As vendas globais da Nissan Motor caíram 41,6% em abril, em relação a igual período do ano passado, e nos primeiros quatro meses do ano acumula uma redução de 31,1%, anunciou esta quinta-feira a construtora.
Recomendadas

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Farmacêutica Pfizer inicia ensaio clínico com quase 30 mil participantes

A farmacêutica norte-americana Pfizer e a biotecnológica alemã BioNTech iniciaram um ensaio clínico de uma potencial vacina para a Covid-19 envolvendo cerca de 30 mil participantes, foi anunciado esta quarta-feira.

Facebook lança versão do Tik Tok através do Instagram

O Reels é a aplicação que a empresa de Mark Zuckerberg criou para fazer frente ao rival Tik Tok. O lançamento acontece dias depois sa Microsoft anunciar as negociações para adquirir as operações nos EUA da aplicação de video da ByteDance na China.
Comentários