“Hoje muita gente não consegue ter casa na cidade de Lisboa”, diz Fernando Medina

As candidaturas ao programa Habitar Lisboa arrancam hoje com 120 imóveis disponíveis para arrendar a jovens e famílias de classe média residentes dentro e fora de Lisboa. Os candidatos poderão escolher casas de tipologia T1 até T5, com rendas a partir de 150 euros até 800 euros.

Cristina Bernardo

A partir de hoje todas as famílias de classe média jovens, residentes dentro e fora de Lisboa, podem candidatar-se ao novo programa de rendas acessíveis da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Habitar Lisboa. Em concurso, estão 120 imóveis na Área Metropolitana de Lisboa (AML) e cujo as rendas variam entre os 150 e os 800 euros.

A inauguração desta iniciativa decorreu, esta quinta-feira, num prédio residencial na Ajuda, em Lisboa, e com a presença do presidente da CML Fernando Medina que explicou que se tratam de casas “que as pessoas podem pagar na cidade de Lisboa” e que estão prontas para habitar. “Hoje na cidade de Lisboa muita gente não consegue ter casa, ou porque estão a um preço proibitivo para as classes médias ou porque as rendas são muito elevadas para os rendimentos das famílias”, explicou.

Segundo o novo regulamento, que estabelece as regras do Programa de Renda Acessível (PRA), o valor mensal do programa corresponderá a 30% (taxa de esforço) multiplicado pelo rendimento mensal líquido do agregado, em duodécimos. Caso o agregado inclua dependentes (conforme a declaração do IRS), a taxa de esforço é reduzida em 2% por cada pessoa dependente.

As candidaturas abriram esta manhã e decorrerão até dia 30 de janeiro na plataforma Habitar Lisboa. Para concorrer, o rendimento bruto do agregado deve situar-se entre um mínimo de 8.400 euros/ano por cada pessoa com rendimento, e um máximo de 35 mil euros/ano (uma pessoa), 45 mil euros/ano (duas pessoas), ou 45 mil euros/ano mais.

No portefólio do PRA, um T0 custará entre 150 e 400 euros, um T1 entre 150 e 500, um T2 entre 150 e 600 e os T3, T4 e T5 custarão entre 200 e 800 euros. O valor da renda e a tipologia do imóvel dependerá do agregado familiar e do rendimento líquido das famílias que se candidatarem. O contrato de arrendamento é celebrado por um prazo de dois anos, que será renovado automaticamente pelo período inicial de três anos.

Os 120 imóveis estão localizados na Área Metropolitana de Lisboa nas freguesias da Ajuda, Alcantara, Areeiro, Avenidas Novas, Beato, Benfica, Campo de Ourique, Campolide, Lumiar, Marvila, Olivais, Parque das Nações, Penha de França, Santa Clara, Santa Maior e São Domingues de Benfica.

Fernando Medina afirmou que apesar de parecer residual o número de habitações disponíveis a partir de hoje, garantiu que “o processo nos vai levar a ter largas centenas e milhares de casas disponíveis na cidade de Lisboa. É um esforço sem precedentes”.

A iniciativa integra no Regulamento Municipal do Direito à Habitação de Lisboa e foi aprovado em reunião de câmara em julho, com os votos favoráveis de PS e BE e a abstenção de PSD, CDS e PCP.

Renda acessível em Lisboa: Inscrições já abriram. Saiba como se candidatar

Ler mais
Relacionadas

Renda acessível em Lisboa: Inscrições já abriram. Saiba como se candidatar

A câmara municipal de Lisboa lançou hoje as inscrições para as primeiras 120 casas do programa de Renda Acessível. O JE explica-lhe quais são as condições de acesso a este programa.

Câmara de Lisboa abre inscrições para as primeiras 120 casas de renda acessível

A autarquia presidida por Fernando Medina promete que “ao longo de 2020 serão abertos novos concursos para mais casas com renda acessível”.
Recomendadas

Aprenda a aumentar a duração da bateria do seu portátil

Utilize o AutoPowerOptionsOK (APO) para melhorar a vida da bateria do seu computador e controlar as opções de energia.

Corrida condiciona trânsito em Lisboa amanhã

A prova desportiva “5ª Corrida dos Adeptos e Simpatizantes” provocará condicionamentos em diversas artérias da cidade a partir das 8h45. Veja aqui o percurso.

Estudo da GfK diz que ‘propensão para comprar em Portugal’ está abaixo da média europeia

Neste parâmetro, o consumidor que apresenta mais predisposição para comprar é o alemão, enquanto o consumidor espanhol é o que tem menos vontade de adquirir produtos/serviços.
Comentários