Reno: o principal rio da Europa está a secar e ameaça a economia

É o principal eixo do transporte fluvial na Europa mas a inclemência das alterações climatéricas pode ditar a sua inutilidade para o transporte, colocando em perigo a economia que lhe está associada.

Depois de uma seca prolongada no verão, o trânsito fluvial pesado no rio Reno – um curso de água com 1.233 quilómetros de comprimento que atravessa a Europa de sul para norte e desaguando no mar do Norte depois de nascer nos Alpes, no leste da Suíça – esteve parado durante um mês no final do ano passado.

O impacto da paragem, segundo a Bloomberg, afetou diretamente a indústria alemã e desacelerou o crescimento económico na região ao longo do terceiro e quarto trimestres de 2018. Foi o sinal mais recente de como até mesmo as economias industriais avançadas podem ver-se confrontadas com os efeitos do aquecimento global.

Kevin Kilps, dono de uma embarcação, disse, citado pela reportagem da agência noticiosa, que “os níveis da água estão a diminuir todos os anos”. Para tentar resolver o problema, Kilps acrescentou equipamentos extras de flutuação à embarcação de 150 toneladas, na tentativa de fazer subir a linha de água e conseguir colocar o barco em operação.

Mas os donos dos navios sabem que estão no limite da sua operacionalidade. Se as condições continuarem a degradar-se, é possível que o Reno perca a sua possibilidade de navegação, afetando todas as ligações intra-europeias que se efetuam há milhares de anos e que ligam Suíça, Alemanha e Holanda.

O Reno desagua no Mar do Norte em Roterdão – um dos maiores se não mesmo o maior porto da Europa – o que coloca a ‘estrada’ marítima no topo das prioridades de algumas das maiores indústrias que se encontram nas suas margens. Daimler, Bosch e Bayer são apenas três dos gigantes alemães que têm no Reno uma das suas principais vias de escoamento dos produtos e por isso de alimentação das exportações.

Recomendadas

Biden: Presidente dos EUA assina regresso ao Acordo de Paris

Os Estados Unidos deixaram, em 04 de novembro, formalmente o Acordo de Paris, um pacto global firmado há cinco anos com o objetivo de travar a ameaça de uma mudança climática catastrófica.

Nova porta-voz da Casa Branca com tom diferente da era Trump, expressa respeito pela imprensa

“Haverá momentos em que discordaremos, e certamente haverá dias em que discordaremos em grande parte das conferências de imprensa”, acrescentou, frisando que tanto a nova administração como os jornalistas têm um objetivo comum: “partilhar informações precisas com o povo americano”

Crise no comércio e restauração de portugueses em Macau agrava-se sem mercado de Hong Kong

“Ficámos assim reduzidos aos clientes e bons amigos de Macau e, também, aos que nos vão chegando, a conta-gotas, do continente”, do interior da China, explicou a proprietária do Cool-Thingz & PortugueseSpot, agora que se assinala um ano desde que o território registou o primeiro caso de covid-19.
Comentários