Representantes portugueses da Comissão Europeia: “Pacto verde é o verdadeiro plano de desenvolvimento económico da UE”

Para os representantes da Comissão Europeia em Portugal, o Pacto Verde Europeu abre portas para grandes oportunidades de investimento em Portugal nas áreas das energias renováveis offshore e melhor gestão florestal.

A Representação da Comissão Europeia reuniu-se esta quarta-feira para debater o Pacto Ecológico Europeu (“Green New Deal“), apresentado, em Bruxelas, pela Presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula van der Leyen.

O documento, que visa traçar um novo plano de combate às alterações climáticas, soma 50 metas, a terem inicio em 2020, para serem alcançadas até 2050 dando especial destaque ao fundo que permitirá que regiões dependentes de combustíveis fósseis financiem a sua transição para indústrias limpas e fontes de energia. O Mecanismo de Transição Justa terá um valor de 100 mil milhões de euros e estará disponível já em janeiro.

Em Portugal, Humberto Rosa, da Direção-Geral do Ambiente, e Paula Abreu Marques, da Direcção-Geral de Energia debateram o papel da União Europeia no combate às alterações climáticas e concordaram com as palavras da Comissária europeia que defendeu querer colocar a Europa a liderar os esforços mundiais na transição energética.

“O pacto verde é o verdadeiro plano de desenvolvimento económico da União Europeia”, começou por afirmar Humberto Rosa. “Este será um desafio grande mas tal como a Comissária afirmou, será um desafio para todos e ninguém ficará para trás”.

O pacto, que tem entre as suas metas vinculativas o ano de 2050 para se chegar à neutralidade carbónica na União Europeia (UE), irá concretizar-se em propostas legislativas que a Comissão apresentará nos próximos meses. O documento, que faz parte do plano de ação para o mandato de von der Leyen, focar-se-à na luta contra as alterações climáticas e noutros objetivos ambientais em domínios como os transportes, a energia, a poluição, a agricultura, a economia circular e a biodiversidade.

O documento visa também a criação de energias limpas, uma alínea que para a representante da Direcção-Geral de Energia representa “as oportunidades imensas” de investimento para as energias offshore e eólica em Portugal. “Toda esta transição vai criar muito investimento, mais emprego, mais empreendedorismo. A Comissão quer que a Europa seja o primeiro continente do mundo a atingir a neutralidade carbónica”.

Para além disso, Paula Abreu Marques destaca ainda a Estratégia de Integração das Energias Renováveis, que será apresentada em junho de 2020 e que vai permitir a descarbonização do setor energético.

Na área do Ambiente, Humberto Rosa destaca ainda, para Portugal, a atenção dada à gestão florestal. “Tudo o que tenha a ver com a restauração de uma floresta e de ecossistemas mais resistentes às alterações climáticas é de interesse para nós. Através da Estratégia Europeia para as Alterações Climáticas e da Estratégia pela Biodiversidade, conseguiremos uma situação do terreno diferente da que temos hoje”.

A CE reconhece que será preciso um “investimento significativo” para “alcançar os objetivos do Pacto Ecológico Europeu”. Só para reduzir em pelo menos 50% as emissões de gases com efeito de estufa até 2030 deverá ser preciso um investimento anual adicional de “260 mil milhões de euros”, o equivalente a 1,5% da riqueza europeia criada em 2028. É essa a estimativa feita pelos técnicos europeus.

Face aos números – e tendo em conta que o Orçamento Comunitário ronda atualmente 1% do Rendimento Nacional Bruto – a Comissão Europeia deixa claro o apelo e a necessidade de envolvimento do sector privado, a somar à mobilização de dinheiro público. E será também para convencer os privados que no próximo ano avançará com uma “Estratégia de Financiamento Verde”.

Quanto à capacidade de investimento público europeu, ainda não está definido, no início de 2020 a Comissão irá também apresentar “um Plano Europeu de Investimento Sustentável”. Pelo menos 25% do próximo Quadro Financeiro Plurianual “deverá ser dedicado à ação climática” e o objetivo é que “o Banco Europeu de Investimento, o banco europeu do Clima dê apoio adicional”.

 

Ler mais
Recomendadas

Covid-19: Ministério do Ambiente quer valorizar a sustentabilidade na saída da pandemia

O ministro do Ambiente enviou uma carta a cerca de duas dezenas de personalidades portuguesa, desde gestores a professores universitários, para tentar perceber como se podem valorizar as questões da sustentabilidade ambiental no cenário pós-Covid-19.
chuva

Este foi o sexto mês de março mais quente desde 1979

Depois do inverno mais quente da Europa já registado, março foi mais ameno, com temperaturas abaixo da média em algumas regiões ocidentais do continente. Mesmo assim, o mês passado foi o sexto março mais quente da Europa desde 1979, de acordo com um comunicado da Copernicus, a agência de observação da Terra da União Europeia, […]

Feira Empack e Logistics & Automation adere ao Pacto Português para os Plásticos

Com esta decisão, a Empack e Logistiscs & Automation junta-se à lista de mais de cem membros da Smart Waste Portugal.
Comentários