Repsol compra 21% da empresa social Sylvestris

A Sylvestris é uma empresa social dedicada à restauração florestal, jardins verticais e consultoria ambiental, sendo também criadora de empregos para grupos vulneráveis. Estima-se que, com esta aliança seja possível, restaurar mais de 2.200 hectares de floresta até 2024.

A Fundação Repsol, através do fundo Repsol Impacto Social, adquiriu 21,39% do capital da empresa Sylvestris, dando, assim, entrada no setor de reflorestação e desenvolvimento rural.

De acordo com um comunicado divulgado esta segunda-feira, esta compra vai reforçar a estratégia da petrolífera de desenvolver uma rede de empresas sociais em Portugal e em Espanha, através deste fundo de investimento social, que está dotado com 50 milhões de euros para a transição energética e inclusão de grupos vulneráveis.

A Sylvestris considera que a entrada do Repsol Impacto Social vai contribuir para o combate às alterações climáticas, através da criação de projetos de absorção que capturam toneladas de dióxido de carbono (CO2) da atmosfera. Estima-se que, até 2024, a Sylvestris refloreste mais de 2.200 hectares, com uma absorção, certificada pela Oficina Espanhola de Alterações Climáticas, de 165 mil toneladas de CO2. Para a execução destes projetos, espera-se a contratação de cerca de 2.500 pessoas.

Para a Repsol, o setor da reflorestação apresenta oportunidades de desenvolvimento, uma vez que mais empresas estão a apostar neste tipo de projetos para reduzirem a sua pegada de carbono, como parte das políticas de responsabilidade social corporativa.

Repsol faz o primeiro investimento do fundo social. Fundação compra 25% da espanhola Koiki

Ler mais
Recomendadas

Estudo Basef Seguros escolhe Fidelidade

O Basef Seguros – Barómetro de Serviços Financeiros é um estudo de referência realizado há mais de 20 anos pela Marktest, que dá a conhecer o comportamento da população portuguesa em relação ao setor segurador.

Menos de metade das empresas de turismo investiram em inovação no último ano

“Com este estudo, tentámos perceber qual o patamar em que estão as empresas no que respeita à transformação digital e à inovação”, diz Francisco Calheiros.

Quatro sindicatos do setor financeiro juntam-se para criar o “Mais Sindicato”

De acordo com os estatutos, serão agendadas, num prazo de seis meses, eleições para os órgãos diretivos da futura estrutura sindical – Mais Sindicato.
Comentários