Fed volta a não mexer nas taxas de juro mas antecipa quebra de 6,5% no PIB dos EUA

Depois dos dois cortes de março, a Fed reitera decisão de fazer uma pausa nas taxas de juro. Contudo, a Reserva Federal dos EUA Fed antecipa uma quebra de 6,5% no PIB do país.

Depois de ter anunciado em março dois cortes (primeiro de 50 pontos base e depois de 100 pontos base) na federal funds rate [rácio das taxas de juro norte-americanas], devido aos riscos económicos inerentes à pandemia da Covid-19, e depois de em abril ter mantido a taxa de juro inalterada perto de zero, a Reserva Federal [Fed] dos Estados Unidos voltou a manter a taxa de juro inalterada perto de zero, indicando que assim deverão continuar até 2022. Por outro lado, o organismo antecipou uma quebra de 6,5% no PIB dos EUA.

De acordo com o comunicado da Fed, emitido esta quarta-feira, foi decidido “manter a taxa dos federal funds entre 0 um quarto percentual”. “[Fed] espera manter essa taxa até ter certezas de que a economia resistiu aos eventos recentes e caminho para alcançar as suas metas máximas de emprego e estabilidade de preços”, lê-se.

“O surto do novo coronavírus está a causar tremendas dificuldades económicas e humanas nos Estados Unidos e no mundo. O vírus e as medidas tomadas para proteger a saúde pública levaram a acentuadas quebras na atividade económica e a um aumento nas perdas de empregos. A procura mais fraca e os preços do petróleo significativamente mais baixos estão a manter a inflação dos preços ao consumidor. As condições financeiras melhoraram, refletindo em parte as medidas políticas para apoiar a economia e o fluxo de crédito para as famílias e empresas dos EUA”, acrescenta o comunicado do organismo liderado por Jerome Powell.

Apesar de ter mantido as taxas de juro inalteradas, a Fed antecipou uma quebra de 6,5% no PIB dos EUA e reviu em alta a previsão da taxa de desemprego para 9,3%, após a surpreendente redução do indicador em maio.

Relativamente à projeção sobre a evolução da economia norte-americana, o organismo estimou que o PIB do país recupere e cresça 5% em 2021 e 3,5% no ano seguinte. Sobre a taxa de desemprego a trajetória calculada é também animadora, estimando um recuo de 6,5% no próximo ano e uma nova quebra de 5,5% em 2022.

Nas projeções anteriores, publicadas em dezembro de 2019, a Fed estimava um aumento do PIB norte-americano de 2% este ano e de 1,9% em 2021.

O banco central norte-americano começou na terça-feira uma reunião de política monetária de dois dias,para realizar uma nova avaliação do impacto económico da pandemia da Covid-19 nos Estados Unidos, após a inesperada descida do desemprego em maio, naquele país.

A taxa de desemprego nos Estados Unidos, que em abril tinha atingido 14,7%, com a perda de 20,5 milhões de empregos, desceu em maio para 13,3%, com a reabertura progressiva da atividade, o que levou a algum otimismo quanto à recuperação económica.

No início da pandemia da Covid-19, tendo em conta os riscos económicos à época estimados – e hoje parcialmente verificados – cortou as taxas de juro, colocando-as entre 0% e 0,25% e lançou várias injeções maciças de liquidez.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street fecha semana no verde com perspetiva de estímulo à economia a sobrepor-se à fraca criação de emprego

Apesar dos fracos números da criação de emprego em novembro, os mercados animaram-se com as declarações de Nancy Pelosi sobre um possível acordo bipartidário para um pacote de estímulos à economia americana, isto depois do líder do Senado ter admitido o mesmo na quinta-feira.

Bolsa de Lisboa fecha em alta numa sessão animada em toda a Europa

Galp dispara mais de 5% com subida do preço do petróleo, após o anúncio de um acordo da OPEP+ em suavizar os aumentos previstos de produção de crude. O BCP fechou em alta de mais de 2% e já está acima dos 12 cêntimos.

Vencedor de concurso da Católica Porto Investment Club alerta que CBDC são “questão de segurança nacional”

Nuno Loureiro, vencedor do concurso Champion Chip 2020, organizado pela Católica Porto Investment Club, alerta que a infraestrutura tecnológica que suporta moedas digitais emitidas por um banco central (CBDC) poderão ser alvo de ataques cibernéticos de outros Estados.
Comentários