PremiumReservas das empresas “estão a esgotar-se”

Patrões alertam que as reservas das empresas estão a esgotar-se para fazerem face aos custos fixos e aos efeitos do confinamento.

A impossibilidade de operar e manter os negócios abertos tem obrigado ao recurso por parte dos empresários aos seus aforros, como forma de fazer face às suas obrigações. Confederações empresariais alertam que as reservas das empresas estão a esgotar-se. Aviso surge numa altura em que as medidas restritivas têm condicionado fortemente o consumo, do lado das famílias, e, por conseguinte, a capacidade das empresas de gerar receitas.

“As poupanças que muitas teriam, foram sendo gastas no decorrer deste ano”, revela Jorge Pisco, presidente da Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas (CPPME).

Também o presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) não tem dúvidas: “as reservas estão claramente a esgotar-se nas empresas que defendem-se desta forma para fazer face aos custos fixos. Mesmo nos apoios que existem para assegurar o emprego como o lay-off, as empresas têm parte desses custos”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Subida do salário mínimo? “É prematuro assumir qualquer valor como definitivo”, diz Governo

A resposta surge depois de ser noticiado um eventual aumento de 40 euros. “A definição anual da atualização do SMN segue os procedimentos habituais, sendo objeto de discussão em sede de concertação social e com as estruturas sindicais”, explicam os ministérios das Finanças, Trabalho e Administração Pública.

PremiumJoão César das Neves: “Temos de pôr dinheiro no bolso das pessoas”

O economista César das Neves diz que o Plano de Recuperação é o “do costume”, dedicado a construção e burocracia, que se irá traduzir num “crescimento medíocre”. Defende a extensão das moratórias e alerta para o desafio da solvabilidade das empresas.

OMS denuncia desigualdades nas vacinas. Países ricos receberam 81% das doses (com áudio)

Enquanto que os países mais ricos já receberam mais de 80% das vacinas, os países com menores rendimentos só acumularam 0,3% das doses.
Comentários