Resgate de PPR: regime especial alargado até 30 de setembro

O diploma alarga também até ao final de setembro o regime especial de resgate dos PPR para as pessoas com quebra de rendimentos na sequência da pandemia de covid-19.

O parlamento aprovou hoje por unanimidade o projeto do PS que prolonga até 30 de setembro a proibição da suspensão do fornecimento de água, luz, gás e comunicações eletrónicas e as regras de resgate dos Planos Poupança Reforma (PPR).

O diploma, que por proposta do PS foi aprovado, numa votação única, na generalidade, especialidade e final global, prolonga os prazos de algumas das medidas de apoios às famílias que foram decretadas durante o estado de emergência e cujo prazo terminaria em breve.

De acordo com o diploma agora aprovado, não é permitida até ao final de setembro “a suspensão do fornecimento dos seguintes serviços essenciais”, nomeadamente de água, energia elétrica, gás natural e comunicações eletrónicas.

Esta proibição de suspensão aplica-se quando “motivada por situação de desemprego, quebra de rendimentos do agregado familiar igual ou superior a 20%, ou por infeção por covid-19”, sendo que os agregados familiares que se encontrem nesta situação podem requerer a cessação unilateral dos contratos sem que haja lugar a compensação ao fornecedor ou a sua suspensão temporária, retomando-a em 01 de outubro, sem penalidades.

Tal como já estava previsto na lei inicial, continua a ser possível acordar com os fornecedores destes serviços planos de pagamento, “com início a partir do segundo mês posterior a 30 de setembro.

O diploma alarga também até ao final de setembro o regime especial de resgate dos PPR para as pessoas com quebra de rendimentos na sequência da pandemia de covid-19.

Desta forma, até 30 de setembro pode ser reembolsado o valor dos PPR, até ao limite mensal do Indexante de Apoios Sociais (438,81 euros) desde que um dos elementos do agregado familiar do subscritor do PPR se encontre em situação de isolamento profilático ou de doença”, de assistência a filhos ou netos, ‘lay-off’, desemprego ou cessação de atividade.

No preâmbulo do diploma, os deputados do PS acentuam que, apesar da retoma da atividade iniciada com o plano de desconfinamento, muitas das medidas tomadas pelo Governo para mitigar o impacto da covid-19 na economia “ainda são necessárias”, uma vez que “se destinam a agregados com reduções de rendimentos nos últimos meses”.

Este prolongamento de prazos complementa a proposta do Governo, também hoje aprovada, que prorroga até setembro a moratória e os apoios às rendas.

Ler mais

Relacionadas

PSD quer prolongar resgate de PPRs sem penalização fiscal

Para ajudar as famílias durante a pandemia da Covid-19, o Governo despenalizou fiscalmente o resgate dos PPR durante o estado de emergência. O PSD quer agora manter a medida para ajudar as famílias em dificuldades perante a crise gerada pela Covid-19. E propõe resgate sem penalização fiscal também para os Planos de Poupança-educação (PPE) e os Planos Poupança-reforma/educação (PPR/E).

Parlamento aprova prolongamento da moratória das rendas até setembro

A proposta foi aprovada com votos favoráveis PS, BE, PAN e da deputada não inscrita e abstenção do PSD, CDS-PP, PCP, PEV e Iniciativa Liberal.

Aprovada no parlamento proposta de lei que estabelece proibição de festivais

A proposta de lei hoje aprovada decreta a proibição de realização de festivais e espetáculos de natureza análoga até 30 de setembro, mas o Governo pode antecipar o fim dessa proibição, “com fundamento em recomendação da Direção-Geral da Saúde”.
Recomendadas

Alemanha é responsável por quase metade das ajudas estatais autorizadas por Bruxelas

“Temos, ao todo, 175 medidas [aprovadas] que totalizam cerca 2,13 biliões de euros”, anunciou hoje a vice-presidente executiva da Comissão Europeia, Margrethe Vestager, falando numa audição na comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas.

António Saraiva: “Empresas precisam de apoios a fundo perdido. Não querem agravar dívida”

O barómetro semanal CIP/ISCTE revela que 82,2% das empresas preferem apoios para capitalização que não agravem o seu endividamento e 41,7% dizem que querem suspender ou cancelar investimentos previstos para 2020. O presidente da CIP, António Saraiva diz que as necessidades das linhas de apoio às empresas aumentaram para 10,5 mil milhões de euros.

Comércio automóvel quer flexibilidade fiscal para diferir pagamentos do IUC

O setor do comércio automóvel diz que já tem 50% das visitas de clientes, mas precisa de maiores estímulos para o abate de viaturas em fim de vida, referem os participantes no ’30 a 3′ promovido pelo Montepio Crédito em parceria com o Jornal Económico. O setor considera que é preciso aumentar a confiança do cliente para relançar as vendas de automóveis.
Comentários