Residências secundárias rendem 11 mil euros anuais aos proprietários portugueses

No último ano o preço médio de uma propriedade alcançava os 177 mil euros em Portugal, onde mais de dois terços dos proprietários fizeram da sua habitação secundária um alojamento local.

Cristina Bernardo

Em Portugal, as residências secundárias estão a render 11 mil euros anuais aos seus proprietários, segundo revela um estudo da consultora imobiliária Savills, em parceria com a plataforma especializada em alojamentos para férias HomeAway.

Mais de dois terços dos proprietários fizeram da sua casa secundária um alojamento local, com o preço médio de uma propriedade a atingir os 177 mil euros em 2017, com 35% dos portugueses obtêm algum proveito das suas propriedades e 38% conseguem cobrir parcialmente os gastos.

No início do milénio, 14% das residências secundárias eram adquiridas para fins de alojamento local exclusivamente e não para uso pessoal. Quando o crédito à habitação, este sofreu uma queda acentuada. O valor subiu para os 19% e atualmente mais de um terço de todas as residências secundárias são adquiridas unicamente para uso exclusivo na modalidade de alojamento local.

Portugal surge como o segundo destino num ranking dos 10 melhores países para investir numa habitação secundária (13,2%), sendo apenas superada pela ‘vizinha’ Espanha (19,2%). As residências secundárias dos portugueses situam-se em três zonas: Algarve (17%), região da Grande Lisboa (15%) e região Norte (13%).

Em Portugal, os proprietários de residências secundárias são na grande maioria (81%) portugueses e alugam, em média, as suas habitações secundárias 17 semanas ao ano.

Recomendadas

Insónias estão associadas a mais de 80% das depressões

A má qualidade do sono está associada, em grande medida, a aspetos depressivos, disse hoje à agência Lusa a especialista Marta Gonçalves, que participa no simpósio “Insónia: a perspetiva da Medicina do Sono”, em Coimbra.

Quer ajudar a União Zoófila? Provedoria dos Animais de Lisboa vai receber donativos

“É fundamental que todos nós nos responsabilizemos pelos animais que não têm uma família ou que vivem em situação de grande carência”, refere a Provedoria dos Animais de Lisboa

Bilhetes para o futebol estão mais caros em Itália. E a culpa é de um português

A claque da Juventus já apresentou várias queixas, e através de um comunicado, explicaram que vão aos jogos mas com desagrado, já que ver a ‘Vecchia Signora’ fora de casa custa 100 euros.
Comentários