Residências secundárias rendem 11 mil euros anuais aos proprietários portugueses

No último ano o preço médio de uma propriedade alcançava os 177 mil euros em Portugal, onde mais de dois terços dos proprietários fizeram da sua habitação secundária um alojamento local.

Cristina Bernardo

Em Portugal, as residências secundárias estão a render 11 mil euros anuais aos seus proprietários, segundo revela um estudo da consultora imobiliária Savills, em parceria com a plataforma especializada em alojamentos para férias HomeAway.

Mais de dois terços dos proprietários fizeram da sua casa secundária um alojamento local, com o preço médio de uma propriedade a atingir os 177 mil euros em 2017, com 35% dos portugueses obtêm algum proveito das suas propriedades e 38% conseguem cobrir parcialmente os gastos.

No início do milénio, 14% das residências secundárias eram adquiridas para fins de alojamento local exclusivamente e não para uso pessoal. Quando o crédito à habitação, este sofreu uma queda acentuada. O valor subiu para os 19% e atualmente mais de um terço de todas as residências secundárias são adquiridas unicamente para uso exclusivo na modalidade de alojamento local.

Portugal surge como o segundo destino num ranking dos 10 melhores países para investir numa habitação secundária (13,2%), sendo apenas superada pela ‘vizinha’ Espanha (19,2%). As residências secundárias dos portugueses situam-se em três zonas: Algarve (17%), região da Grande Lisboa (15%) e região Norte (13%).

Em Portugal, os proprietários de residências secundárias são na grande maioria (81%) portugueses e alugam, em média, as suas habitações secundárias 17 semanas ao ano.

Recomendadas

Tarifários de comunicações móveis para jovens com aumento de 62% em reclamações

Portal da Queixa verificou, em 2018, e até novembro, um aumento no número de reclamações dirigidas às operadoras de telecomunicações referentes aos tarifários jovens. O WTF da NOS registou maior número de queixas.

Economize: Na diversificação é que está o ganho

Alocar o seu capital investido num só ativo pode ser altamente arriscado porque se perder, pode perder tudo. Por isso, na hora de decidir investir, siga uma estratégia de diversificação para mitigar o risco associado ao investimento.

Motores elétricos: por um mundo melhor —e uma frota sustentável

Segundo um estudo realizado pela LeasePlan, líder nacional no mercado do renting, mais de 50% das suas frotas teriam uma redução de custos se apostassem na eletrificação das suas frotas.
Comentários