Resiquímica: por 28,5 milhões de euros passou de Sintra para o mundo

Com a aquisição da empresa portuguesa, a Omnova Solutions aumentou as suas sinergias. A Resiquímica aumentou as sinergias da multinacional norte-americana e será a patir de Sintra que irá reforçar a sua área comercial na Europa e investir na investigação tecnológica.

A multinacional norte-americana Omnova Solutions chegou a Portugal no final de setembro quando comprou a empresa portuguesa Resíquimica, líder em resinas e revestimentos, por 28,5 milhões de euros. Anne P. Noonan (na foto), presidente e CEO da Omnova, disse ao Jornal Económico que a aquisição da Resiquímica teve como objetivo “acelerar a sua estratégia de especialização em produtos de revestimento”, uma estratégia delineada “há quatro anos”.

Sobre a aquisição da Resiquímica, sediada em Sintra, a Omnova disse em comunicado que a empresa portuguesa vai expandir as ofertas da multinacional norte-americana “em termos de tecnologias e produtos nas áreas de revestimentos e construção [fortalecendo] a posição da região da EMEA e [melhorando] as capacidades e a flexibilidade de produção no negócio especializado”.

A Resiquímica vai deter um papel importante nas operações europeias da Omnova. Em relação à tecnologia, a empresa sintrente “detém boas competências e recursos humanos e, por isso, vamos servir a nossa posição europeia a partir daí”, explicou a CEO norte-americana. Além disso, com esta aquisição, a multinacional norte-americiana”comprou os produtos da Resiquímica” e “aumentou o portefólio da Omnova, permitindo o reforço da área de negócios comercial”, disse Noonan.

Questionada sobre o processo de entrada no mercado português, Noonan considerou “não ter tido uma experiência muito diferente dos outros países europeus, como a França” e explicou que “os consumidores portugueses são muito parecidos com resto do mundo”.

Sobre as guerras comerciais do presidente Donald Trump com a China e com as medidas protecionistas que tem posto em prática, Noonan disse “que a situação ainda se está a desenvolver”. Para a CEO, “a presença global da Omnova tem ajudado a empresa e dá-nos uma vantagem competitiva”, porque produz e vende os seus produtos nos mercados potencialmente afetados pelas políticas norte-americanas. Mas confessou que “o maior impacto [daquelas medidas] é nos consumidores”.

Os mais de 120 funcionários da Resiquímica integram agora uma multinanacional que tem presença nos quatro cantos do mundo, onde tem fábricas de produção e pontos de venda, distribuição e investigação (área tecnológica). A Omnova, cotada na bolsa de Nova Iorque, encerrou o ano fiscal de 2017 com receitas de 772 milhões de dólares.

Repartidas por geografia, Noonan explicou que “30% das receitas provêm do mercado europeu, 20% da Ásia e 50% dos Estados Unidos”.

Ler mais
Relacionadas

“Sintra é um gigante que esteve adormecido alguns anos; agora, acordou”, diz Basílio Horta

Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra, falou ao Jornal Económico sobre o futuro do concelho de Sintra. Para a década 20/30, estão pensados investimentos em várias áreas. A saúde, o espaço público e atrair investimento privado são as prioridades para este concelho que, no futuro, poderá ter mais residentes do que a capital do país.

Câmara de Sintra aprovou orçamento municipal de 205,8 milhões de euros para 2019

A Câmara de Sintra aprovou uma proposta de orçamento municipal para 2019 de 205,8 milhões de euros, mais 11,8 milhões do que no ano anterior, com investimento no espaço público e reabilitação urbana. As principais componentes da receita municipal assentam nos impostos diretos. O investimento em 2019 incide, maioritariamente, no espaço público, designadamente na rede viária, para beneficiação e conservação de eixos rodoviários e construção de ciclovias.

Donos do histórico café Ribamar pedem 8,1 milhões de euros à Câmara de Oeiras

A primeira sessão do julgamento, com vista à fixação do valor da indemnização a pagar pela Câmara Municipal de Oeiras aos donos do antigo café Ribamar, está agendada para as 10 horas de amanhã no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa (TACL), no Campus da Justiça.

Menos aviões no Montijo custarão 115 milhões de euros à ANA

A solução já foi consensualizada e deve ser incluída no acordo que o Governo e a ANA – Aeroportos de Portugal devem assinar nas próximas semanas, devendo a operação ascender aos 115 milhões de euros.

Cerealto espera fechar o ano com aumento de 47% em receitas

Multinacional do setor alimentar, que tem duas fábricas em Portugal e 310 colaboradores, vai fechar o ano com um volume de negócio a rondar os 228 milhões de euros. Forte aposta na inovação e no aumento da produção suportam este crescimento.
Recomendadas

Uber investe dois milhões de euros para formar motoristas

Com a entrada em vigor da nova lei, os motoristas são obrigados a ter formação obrigatória para poderem inscrever-se junto do Instituto da Mobilidade e dos Transportes para poderem exercer a profissão. Atualmente, os serviços da Uber cobrem as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto e, ainda, a região do Algarve e as cidade de Braga e Guimarães.

Mais de 27 mil bancários terão de ter formação até março para dar crédito

A necessidade desta formação decorre de uma diretiva do crédito hipotecário, que em entrou em vigor no mês de janeiro.

Agências de viagens dizem que o “maior problema é a performance da TAP“

O presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) afirma que “o maior problema” que estas empresas enfrentam atualmente é a TAP.
Comentários