Respostas Rápidas: Quais os desafios de Centeno na presidência do Eurogrupo em 2018?

Novo ano, novo presidente do Eurogrupo. No entanto, os desafios que se colocam já vêm de trás: reforçar a união bancária e avaliar os progressos dos países com programas de ajustamento estará na agenda de Centeno para 2018.

Como vai o Eurogrupo avaliar a coordenação das políticas económicas?

O Eurogrupo vai, ao longo de 2018, proceder à avaliação da implementação de reformas estruturais nos Estados-membros. O grupo composto pelos ministros das Finanças da zona euro vai garantir a monitorização dos esforços para garantir políticas orçamentais sólidas e acompanhamento da situação orçamental da área do euro no seu conjunto.

O Eurogrupo vai prosseguir a avaliação de países com programas de ajustamento?

O Eurogrupo vai continuar a acompanhar os progressos na execução do programa de ajustamento económico da Grécia, que deverá decorrer até meados de 2018. Participará também no processo de supervisão pós-programa nos países que beneficiaram de assistência financeira no passado: Chipre, Irlanda, Portugal e Espanha.

A estabilidade financeira será um tema prioritário para o Eurogrupo?

O Eurogrupo deve retomar os trabalhos que visam reforçar a união bancária. Recorde-se que, em outubro do ano passado, Valdis Dombrovskis, vice-presidente Valdis Dombrovskis da Comissão responsável pela Estabilidade Financeira, Serviços Financeiros e União dos Mercados de Capitais, reforçou que a União Bancária tem de ser concluída para que se possa aproveitar plenamente o seu potencial para tornar a União Económica e Monetária (UEM) mais estável e resistente aos choques

Os ministros das Finanças da zona euro vão dar ênfase à reforma do euro?

O aprofundamento da União Económica e Monetária vai ser um tema determinante para os ministros das Finanças da área do euro, na sequência das discussões do Eurogrupo no outono de 2017.

Ler mais
Relacionadas

Centeno quer “Europa mais robusta e mais resistente a crises” 

Antes da conferência de imprensa com os jornalistas portugueses, Mário Centeno recebeu “o sino da zona euro” das mãos do holandês Jeroen Dijsselbloem e afirmou que é preciso “estar ciente” dos “desafios que têm de ser enfrentados”.

Centeno tocou o sino e já é presidente do Eurogrupo

O ministro das Finanças português tomou posse esta sexta-feira em Paris. Formalmente, o mandato de Mário Centeno tem início amanhã, 13 de janeiro,

Mário Centeno assume liderança do Eurogrupo hoje

O Conselho da União Europeia refere que a “passagem de testemunho” da presidência do Eurogrupo do holandês Jeroen Dijsselbloem para Mário Centeno decorrerá pelas 12:00 em Paris (11:00 em Lisboa). Como o Eurogrupo é considerado um órgão informal da União Europeia, não haverá uma tomada de posse formal.

A nova vida de Centeno

Ministro das Finanças assume presidência do Eurogrupo este sábado. O trabalho vai ser feito essencialmente a partir de Lisboa, mas as viagens de avião e as pernoitas em hotéis vão tornar-se rotina. No campo político, a reforma da Zona Euro e a Grécia são as principais dores de cabeça.

Margarida Marques: “Centeno vai ter maior influência política”

Margarida Marques, ex-secretária de Estado dos Assuntos Europeus, garante ao Jornal Económico que a chegada do português à presidência não é uma conquista menor.
Recomendadas

Altice Portugal em conversas com dois bancos para prestar serviços financeiros

Alexandre Fonseca afirmou que, “neste momento, a Altice Portugal está a falar com duas instituições financeiras nacionais (…) sobre a possibilidade de expandir a sua oferta para a área de serviços financeiros”.

PremiumEmpresas e famílias terão incentivos fiscais no interior

Governo lança benefícios fiscais (ao nível do IRC e do IRS) para promover a revitalização do interior. Investir fora dos grandes centros urbanos terá mais vantagens para as famílias e para as empresas.

PremiumGoverno vai alocar 200 milhões das receitas do IRC à Segurança Social

O Governo pretende alocar cerca de 200 milhões de euros das receitas de IRC arrecadadas em 2019 ao Fundo de Estabilização Financeira da Segurança Social, o equivalente a um ponto percentual da taxa do imposto que recai sobre as empresas . Face à transferência deste ano, os cofres da Segurança Social receberão mais 120 milhões de euros em 2019.
Comentários