Restauração: Federações europeias defendem taxas reduzidas de IVA em toda a Europa

Garantir que o setor consegue resistir à crise provocada pela pandemia de covid-19 é uma das justificações apresentada pelas três federações na ‘position paper’ para pedirem a aplicação das taxas reduzidas do IVA na restauração e alojamento, medida que, acreditam, “trará benefícios imediatos às empresas e aos consumidores”.

A Hotrec, FoodDrink Europe e FoodService Europe, três federações europeias de restauração e alojamento, assinaram uma posição conjunta onde reclamam a aplicação de taxas reduzidas do IVA nestes setores em toda a Europa.

Garantir que o setor consegue resistir à crise provocada pela pandemia de covid-19 é uma das justificações apresentada pelas três federações na ‘position paper’ para pedirem a aplicação das taxas reduzidas do IVA na restauração e alojamento, medida que, acreditam, “trará benefícios imediatos às empresas e aos consumidores”.

“Sendo a redução de taxas de IVA da exclusiva responsabilidade de cada país, as entidades indicam que a União Europeia já disponibiliza uma possibilidade legal para assegurar este decréscimo, que tem como base a diretiva do IVA de 2006”, acentua a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), num comunicado onde assinalou a posição conjunta assumida pelas três federações, que representam mais de 18 milhões de trabalhadores no continente europeu.

As signatárias consideram que uma iniciativa deste tipo “pode fazer a diferença entre a sobrevivência e o encerramento de milhares de estabelecimentos nos próximos meses” pelo que deixam o apelo à União Europeia “para encorajar cada um dos Estados-membros a aplicar a taxa reduzida de IVA a estas atividades económicas”.

No comunicado, a AHRESP refere que, por causa dos efeitos da pandemia, países como a Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Grécia, Reino Unido ou Noruega já optaram por descer o IVA, na sequência da pandemia.

A AHRESP lembra ainda que tem vindo a defender em Portugal a aplicação da taxa reduzida do IVA, durante pelo menos um ano, em todos os serviços de alimentação e bebidas, e a sua integração no Orçamento de Estado para 2021, que está neste momento a ser debatido, lembrando que, num estudo que recentemente apresentou, se conclui que este tipo de medida ajudaria a manter até 46 mil postos de trabalho e 10 mil empresas.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos no mundo desde dezembro do ano passado, incluindo 2.276 em Portugal.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (44.571 mortos, mais de 830 mil casos), seguindo-se Itália (37.059 mortos, mais de 484 mil casos) Espanha (34.521 mortos, mais de um milhão e quarenta e seis mil casos), e França (34.210 mortos, mais de 999 mil casos).

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Ler mais

Recomendadas

Presidente da República exige maior controlo da legalidade na contratação pública

“É naturalmente compreensível – e até desejável – a necessidade de simplificação e de aperfeiçoamento de procedimentos em matéria de contratação pública que possam, com rigor, implicar a melhoria das condições de vida dos portugueses e permitir flexibilizar a atribuição e a alocação dos referidos fundos”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidente da República veta diploma que altera regras de contratação pública

Este veto do chefe de Estado foi divulgado no portal da Presidência da República.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.
Comentários