Reunião entre Sindicato dos Enfermeiros da Madeira e SESARAM deixa tudo no mesmo sítio

A majoração das férias e a admissão de 50 enfermeiros no SESARAM foram assuntos em cima da mesa.

A reunião entre o Sindicato dos Enfermeiros da Madeira e o Serviço Regional de Saúde (SESARAM) deixou tudo no mesmo sítio. Em cima da mesa estiveram assuntos como a majoração das férias destes profissionais, a admissão de novos enfermeiros ao serviço e ainda o pagamento do trabalho de prevenção.

Juan Carvalho, presidente do Sindicato dos Enfermeiros na Madeira considera inadmissível, em declarações ao Económico Madeira, que o SESARAM ainda não tenha resposta sobre a majoração das férias para os enfermeiros. O sindicalista diz que se trata de uma situação de “descriminação” e geradora de “descontentamento”.

De recordar que nesta altura os médicos já beneficiam, de acordo com Juan Carvalho, da majoração das férias uma situação que ainda não é extensível aos enfermeiros.

Outra situação que também gera um lamento por parte de Juan Carvalho é o facto de ainda não se ter avançado com a admissão de 50 novos enfermeiros no Serviço Regional de Saúde. O dirigente do Sindicato dos Enfermeiros da Madeira refere que este assunto já esteve em cima da mesa em várias reuniões, desde março de 2017, com o SESARAM, mas o dossier continua num impasse. Em causa está uma autorização da Secretaria Regional das Finanças de acordo com o sindicalista.

Um assunto que também provocou discórdia foi o pagamento do trabalho de prevenção. De acordo com Juan Carvalho o SESARAM pretende que um enfermeiro caso esteja em serviço de prevenção ou não receba 50% do montante previsto enquanto a posição do Sindicato dos Enfermeiros da Madeira vai no sentido de que estes profissionais aufiram a totalidade do montante caso sejam chamados para prevenção.

Recomendadas

Endividamento das famílias aumentou em 2019

Em média o rendimento das famílias que procuram o nosso apoio é de 1.200 euros, com um montante de prestações com crédito de 920 euros. Portanto, a taxa de esforço das famílias, que não deve ser superior a 35%, ou seja, os gastos mensais com créditos não devem absorver mais de 35% do rendimento mensal, continua a ser muito elevada: 76%.

Saiba quanto vai descontar de IRS em 2020 na Madeira

De acordo com a nova tabela de retenção na fonte de IRS para 2020, um trabalhador solteiro, por exemplo, com um rendimento bruto mensal de 685 euros passa, com as novas tabelas, a reter 0,1%, o que significa, face a 2019 em que ficava retido 3,9%, que vai reter menos 26 euros todos os meses (364 euros no final do ano).

Bolt, antiga Taxify, chega à Madeira

Um comunicado da empresa refere mesmo que esta já tem motoristas prontos a aceitar as primeiras viagens.
Comentários