Revendedores de combustíveis receiam que descida do ISP “fique aquém” do necessário para travar mais subidas (com áudio)

Anarec reitera esta segunda-feira o apelo ao Governo para avançar com uma revisão “mais significativa” da tributação dos combustíveis e alerta para o aumento do preços dos bens essenciais do dia a dia.

A Associação Nacional de Revendedores de Combustíveis (Anarec) teme que a redução de até dois cêntimos no Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP), anunciada pelo Governo na sexta-feira, fique “bastante aquém” do que é necessário para travar a subida dos preços dos combustíveis e o impacto que terá no aumento dos valores de todos os bens essenciais para os consumidores.

Ainda assim, as bombas de abastecimento dizem que “folgam em saber” que o Ministério das Finança, através do secretário de Estado António Mendonça Mendes, “finalmente” tenha dado atenção a este assunto, agindo com uma medida que entrou em vigor logo no dia seguinte (este sábado).

“É deveras preocupante, também, o impacto indireto que a subida do preço dos combustíveis vai ter nas famílias e empresas portuguesas. Não tenhamos dúvidas de que os preços dos bens essenciais ao nosso dia a dia, e das matérias-primas e afins irá aumentar, e o Governo deve ser responsabilizado por isso, se não tiver uma atuação mais firme e tomar medidas efetivamente eficazes para travar a subida galopante”, alerta a Anarec.

Num comunicado assinado pelo presidente da associação, Francisco Albuquerque, a Anarec reitera esta segunda-feira o apelo ao Executivo para avançar com uma revisão “mais significativa” da tributação dos combustíveis.

“A carga fiscal que incide sobre os mesmos é muito penalizadora para as famílias e empresas portuguesas e, em particular, para os nossos associados da zona de fronteira com Espanha, que vivem com muitas dificuldades devido ao diferencial do preço, tendência que se acentuará ainda mais, com a nova subida dos preços”, advertem os revendedores de gasolina e gasóleo.

Desde anteontem que o ISP desceu dois cêntimos por litro na gasolina e um cêntimo por litro no gasóleo.

Relacionadas

Redução “marginal” do ISP “não vai provocar diferença significativa no bolso dos consumidores” , diz Apetro

“Ficamos todos satisfeitos quando há reduções e, principalmente, uma redução na carga fiscal, que é o fator que mais pesa no preço final [dos combustíveis]. Mas não se pode esperar que essa redução marginal que houve no ISP vá provocar uma diferença significativa no bolso dos consumidores”, afirmou o presidente da Apetro, António Comprido, em declarações à agência Lusa.

Marcelo sobre crise nos combustíveis: “Vamos esperar que isto não seja para durar mais de seis meses”

Se a crise dos combustíveis se mantiver por mais de seis meses, Marcelo defende que nessa circunstância os “problemas de fundo têm de ser resolvidos pela comunidade internacional”.

APED: Preço do gasóleo representa 30% do custo do transporte de mercadorias (com áudio)

“Procuramos acomodar e mitigar estes aumentos mas torna-se difícil quando temos pressão em toda a cadeia de valor”, disse o diretor-geral da APED à SIC Notícias.
Recomendadas

Promotor imobiliário chinês Evergrande avisa que pode falhar reembolso de dívida

O promotor imobiliário chinês Evergrande, que se confronta com uma dívida de 310 mil milhões de dólares (274 mil milhões de euros), avisou esta sexta-feira que pode vir a ficar sem dinheiro para “cumprir as suas obrigações financeiras”.

Sines tem as “melhores condições” para atrair investimento direto estrangeiro, diz Eurico Brilhante Dias

O secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, disse esta sexta-feira que Sines (Setúbal) continua a ser a localização do país com “melhores condições para atrair investimento direto estrangeiro”, no âmbito da transição energética e climática.

Produtores vão gastar até mais 1.500 euros por hectare com escalada de preços

As organizações de produtores de tomate para indústria dizem estar preocupadas com a escalada dos preços dos fatores de produção, prevendo-se, que em 2022, a subida será entre os 1.200 e 1.500 euros por hectare.
Comentários