Revolut: conselheiro de Nik Storonsky nomeado ‘chairman’ não-executivo

Martin Gilbert, era informalmente o conselheiro do CEO da Revolut, Nikolay Storonsky, funções que continuará a desempenhar até ao dia 1 de janeiro. A nomeação de Martin Gilbert para chairman não-executivo surge numa altura em que a Revolut se prepara para se tornar num verdadeiro banco digital.

Martin Revolut
Martin Revolut

Martin Gilbert será o chairman não-executivo da Revolut a partir do dia 1 de janeiro, anunciou a fintech liderada por Nikolay Storonsky esta terça-feira, 12 de novembro.

O empresário britânico, que nasceu na Malásia, era informalmente o conselheiro de Nik Storonsky, funções que continuará a desempenhar até ao dia 1 de janeiro. A nomeação de Martin Gilbert para chairman não-executivo surge numa altura em que a Revolut se prepara para se tornar num verdadeiro banco digital assim que começar a conceder crédito com base nos seus depósitos, o que poderá acontecer já em dezembro, segundo revelou Nik Storonsky ao Jornal Económico, na semana passada.

Martin Gilbert é apelidado na imprensa internacional como um “guru do Citi”, tendo ainda fundado, há 36 anos, a Aberdeen Asset Management, uma sociedade de investimento. O empresário liderou ainda a fusão da Aberdeen Asset Management com a Standard Life em 2017, operação avaliada em onze mil milhões libras, que deu origem à Standard Life Aberdeen, empresa da qual era co-CEO.

Em 2015, a revista “Harvard Business Review” colocou em 22º lugar do ranking dos melhores CEO do mundo.

Para o CEO da Revolut, Nik Storonsky, a contribuição de Martin Gilbert “será inestimável numa altura em que continuamos a nossa missão para nos tornarmos o primeiro verdadeiro banco global”.

Martin Gilbert sustentou que “Nik e a equipa fizeram grandes progressos no sentido de construir o banco do futuro, e tenho muito orgulho em poder colocar a minha experiência ao serviço do Conselho de Administração, à medida que a Revolut continua a expandir-se numa escala global”.

A Revolut está em rápida expansão e conta já com nove milhões de clientes em todo o mundo, dos quais cerca de 320 mil se encontram no mercado português. Este ano, a Revolut estreou-se no mercado asiático, depois de inaugurar um escritório em Singapura, e celebrou uma parceria com a Mastercard para entrar no mercado norte-americano, onde refere que tem 100 mil clientes em linha de espera.

Ler mais
Relacionadas

PremiumRevolut já tem crédito para se sentar à mesa com os grandes

A Revolut vai lançar cartões de crédito e serviços de investimento. CEO diz que é o passo para ser “verdadeiro banco digital” com expansão global.
Recomendadas

Margarida Corrêa de Aguiar: “Os PPR Pan-Europeus serão o novo produto de poupança”

“A menor generosidade dos incentivos, a queda da taxa de poupança e a ausência de oferta estruturada de poupança” explica a reduzida penetração de produtos de seguros nas poupanças das famílias, explicou a presidente da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões.

Fitch: Economia adversa e taxas de juro baixas pressionam os bancos da Europa Ocidental

A maioria dos ratings dos bancos da Europa Ocidental está no ‘Stable Outlook’, e a evolução para “perspetivas negativas” reflete principalmente um maior risco para os ratings devido à pressão sobre os resultados ou modelos de negócios.

Moody’s altera perspetiva dos ratings da banca para negativa e alerta para novos riscos

A perspectiva da Moody’s para os bancos globais em 2020 é negativa. “A desaceleração do crescimento económico, baixas taxas de juros e condições operacionais mais voláteis aumentarão os desafios para os bancos”, diz a agência de rating que alerta para riscos de nova escalada de liquidações de bancos.
Comentários