PremiumRevolut já tem crédito para se sentar à mesa com os grandes

A Revolut vai lançar cartões de crédito e serviços de investimento. CEO diz que é o passo para ser “verdadeiro banco digital” com expansão global.

A Revolut, um espelho da rápida transformação da indústria financeira, vai passar a sentar-se na mesa dos ‘grandes’ dentro de pouco tempo, abandonando o rótulo de fintech. “É com muito entusiasmo que anunciamos que a nossa aplicação para obter uma licença bancária europeia foi hoje aprovada pelo Banco Central Europeu”. Foi assim que a Revolut celebrou ter ganho um lugar ‘ringue’ que estava reservado aos bancos, a 13 de dezembro de 2018.

Fundada em julho de 2015 por Nikolay Storonsky e Vlad Yatsenko, a Revolut prepara-se para fazer aquilo que, até agora, separava os bancos das fintech: utilizar os depósitos para conceder crédito.

Em entrevista ao Jornal Económico na Web Summit, esta quinta-feira, Nik Storonsky, como é conhecido o CEO da Revolut, revelou que “em dezembro vamos operacionalizar o banco e passar a emitir cartões de crédito”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumCEO da Transavia: “Portugal é o nosso primeiro mercado”

Nathalie Stubler diz que as medidas tomadas no nosso país facilitaram a reabertura das operações.

Premium“Presidente sérvio deve ir quanto antes a Bruxelas”

Aumento do poder do Partido Progressista traz de volta o temor da escalada de violência, que nos Balcãs precisa de quase nada para acontecer.

PremiumCampanha presidencial de Donald Trump à espera de um milagre

Uma inesperada convergência de várias crises – económica, social, racial, de saúde – deitou por terra a estratégia de reeleição do presidente dos Estados Unidos. Mais uma vez, os imponderáveis levaram a melhor sobre aquilo que parecia ser uma reeleição fácil, face a um candidato democrata com pouco sal e que em Portugal levaria a alcunha de ‘Joe mãozinhas’.
Comentários