Revolut vai aceitar depósitos de salários dos portugueses

A fintech britânica, conhecida como “Amazon da banca”, atingiu os 100 mil clientes em Portugal e aproveitou a ocasião para anunciar que a aplicação vai “falar Português” e permitir depósitos.

A Revolut, conhecida por praticar taxas cambiais mais baixas, anunciou esta quinta-feira que chegou aos 100 mil clientes em Portugal, tendo o mercado nacional se tornado no 8º maior da empresa. Para celebrar este marco, a fintech decidiu aproximar-se mais dos portugueses e adicionar o idioma Português à sua app e site e permitir que os clientes nacionais possam começar a depositar os seus salários na plataforma ainda em 2019.

Diariamente juntam-se à fintech londrina entre 300 a 400 novos clientes em Portugal, o que faz com que a Revolut não duvide de que está a causar “disrupção” nas tradicionais instituições bancárias nacionais. Em comunicado, a empresa assegura que os depósitos até 100 mil euros estarão protegidos no âmbito do próximo Plano Europeu de Seguro de Depósitos.

“Estamos extremamente felizes em ver este crescimento orgânico positivo em Portugal. No entanto, ainda temos um longo caminho a percorrer até que a Revolut seja a principal conta corrente e cartão de gastos diários no país”, afirma Patricia Gómez, gestora de comunicação e relações públicas da Revolut Ibéria, na nota enviada às redações. A porta-voz para o mercado português e espanhol considera que a fintech é uma “alternativa real” aos bancos essencialmente porque a maioria das contas bancárias em Portugal tem “uma taxa de serviço mensal que custa cerca de 6 euros em média”.

Este unicórnio – nascido em 2015 pelos ex-bancários do Credit Suisse e Deutsche Bank Nik Storonsky e Vlad Yatsenko – prevê contratar cinco centenas de pessoas em Portugal, também teve ‘luz verde’ para conceder crédito e gerir depósitos. “Com a licença bancária agora garantida, e prestes a entrar em cinco novos mercados internacionais, estamos a cumprir a reputação de ‘Amazon da banca’”, disse Nik Storonsky, fundador e CEO da fintech, em declarações divulgadas pela agência “Bloomberg”.

O que é que os clientes portugueses podem fazer com a Revolut atualmente?

  • Abrir uma conta corrente através da aplicação
  • Fazer transferências internacionais gratuitas
  • Realizar câmbios de 24 moedas
  • Comprar sem taxas em mais de 150 moedas com MasterCard ou Visa contactless
  • Transacionar criptomoedas
  • Obter um seguro de viagem pay-per-day

Revolut, o banco digital que já é um ‘unicórnio’

Ler mais
Relacionadas

Como será o adeus anunciado às notas e moedas?

A revolução digital chegou aos métodos de pagamento e a diretiva PSD2 alargou a infraestrutura financeira a outras entidades que não têm de ser bancos. Pagar já não é o que era: agora é digital.

Farto de pagar comissões pelas transferências bancárias? Conheça a Revolut

Revolut: a app que é um banco, conta bancária e taxa de câmbio no seu smartphone. Pode fazer pagamentos no estrangeiro à melhor taxa de câmbio e efetuar transferências bancárias internacionais sem pagar comissões.
Recomendadas

Crédito Agrícola elege nova administração a 25 de maio

A Caixa Central de Crédito Agrícola é responsável pela coordenação e supervisão das 80 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo e é liderada por Licínio Pina desde 2013, há dois mandatos. O gestor trabalha no banco há mais de 30 anos.

Blockchain: Santander faz acordo de 620 milhões de euros para usar tecnologia da IBM

Acordo prevê a incorporação de tecnologias da IBM em áreas como a blockchain, big data e inteligência artificial. CIO do Santander, David Chats, diz que aposta está em linha com a “estratégia de progresso constante”.

CGD: BdP avalia idoneidade de sete ex-gestores, incluindo o ex-governador António de Sousa

Entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP estão ainda Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).
Comentários