PremiumRobert Wilson e Paul Milgrom: Os economistas que arrebataram o Nobel através de leilões

Desta vez, a Academia Real Sueca não pode ser criticada por privilegiar a teoria. Atribuiu o Nobel da Economia a dois americanos que estudam a forma de melhorar um processo que afeta a compra e venda de milhares de produtos e serviços à volta do mundo: os leilões.

A chamada que atende no telemóvel, a luz que liga para iluminar a sala, o investimento que faz em dívida, a publicidade que vê no Google, a gasolina que põe no carro. Estas são apenas algumas das milhares de coisas que chegam até nós depois de passar, numa das fases, por um processo de leilão.

A Real Academia das Ciências sueca reconheceu esta terça-feira a importância dessa forma de compra e venda nas nossas vidas, ao atribuir o Nobel da Economia de 2020 a Robert Wilson e Paul Milgrom, ambos da norte-americana Stanford University, pelo trabalho que desenvolvem no estudo da teoria dos leilões.

Steffen Hoernig, professor associado na Nova School of Business and Economics, dise ao Jornal Económico que “o que é tão bom no trabalho destes dois é que partem de trabalho que é de ponta, em termos de teoria, nos anos 60 para a frente, mas que tem aplicação em tantas coisas”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

O tema em destaque nesta quinta-feira é a reunião com os governadores do Banco Central Europeu. Na Assembleia da República o dia ficará marcado pelas audições ao Tribunal de Contas e ao ministro da Ciência sobre o Orçamento do Estado para 2021. O INE vai publicar estatísticas relativamente às empresas, ao turismo e desemprego.

Corrida à liderança da OCDE gera tensões entre EUA e Europa

A nomeação para o cargo poderá, segundo alguns analistas e políticos próximos da organização, definir o futuro da globalização. As diferentes preferências europeias e americanas podem levar a mais um foco de tensão entre os dois blocos, sendo que, caso Joe Biden vença, levanta-se a questão sobre a sua escolha para o cargo, que deverá diferir da expressa pelo presidente Trump.
Comentários