PremiumRogério Fernandes Ferreira: “Não há fundamento sério para fim dos vistos gold, agora”

Antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais considera que não existe margem para um aumento da carga fiscal sobre as famílias, no OE2021, mas admite que Governo lance novas “taxas e taxinhas”.

O que espera da proposta de Orçamento do Estado para 2021?
Tudo indica que o Governo não pretende promover alterações estruturais ou substanciais na vertente fiscal, apesar de a aprovação do mesmo se esperar com os votos da “geringonça”, e faz bem. O país dificilmente suportaria, no meio de uma recessão como esta, novos agravamentos da carga fiscal. Pelo contrário, espera-se algum desagravamento fiscal para as empresas, em geral, em matérias por exemplo, de tributações autónomas ou em caso de prejuízos, o que vai no sentido correcto e que será o de ajudar as empresas a manter os postos de trabalho. Tal desiderato vai ser também atingido com o prolongamento das medidas especiais de alargamento no tempo do lay-off, com apoios directos da segurança social, por vias extrafiscais e de despesa pública.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas
Advogados Cms

PremiumAdvogados da CMS RPA propõem comissão para fundos europeus

Advogados da CMS Rui Pena & Arnaut apresentam propostas para melhorar o sistema judicial e para fiscalizar a aplicação dos fundos de Bruxelas que o país vai começar a receber em 2021.

PremiumMazars faz ‘rebranding’ em ano de 75º aniversário

Novo logótipo é composto por “uma única palavra, confiante e discreta, livre de símbolos e slogans”, refletindo a “originalidade da Mazars”, refere a firma de auditoria, fiscalidade e consultoria.

Solicitadores vão poder escolher regime de previdência

CPAS pode perder os cerca de cinco mil inscritos assegurados por solicitadores e agentes de execução, refere a Ordem dos Solicitadores e dos Agentes de Execução.
Comentários