Ronaldo e companhia aceitam reduzir salários e Juventus poupa 90 milhões de euros

Pacto da direção do clube com os jogadores e equipa técnica passa por uma redução de salários entre março e junho deste ano.

O acordo alcançado pela direção da Juventus com os jogadores da primeira equipa vai permitir ao clube de Cristiano Ronaldo poupar 90 milhões de euros e assim permitir a viabilidade do emblema de Turim.

A Juventus realça que este corte salarial é “essencial devido à emergência sanitária mundial em curso que impede o desempenho da atividade desportiva. Nas próximas semanas serão finalizados os acordos individuais exigidas pela regulação em vigor”, acrescenta o clube em comunicado.

A direção, que é encabeçada por Andrea Agnelli, deixa claro que esta é uma medida que poderá ser reversível em função do momento em que se possa retomar a atividade. “Se as competições desportivas da atual temporada seja reatadas, a empresa e os jogadores irão negociar de boa fé”.

A chegada de Cristiano Ronaldo à Juventus permitiu ao clube aumentar as suas receitas em 65 milhões de euros, entre 2018 e 2019 (17%). Além disso, a ida do português para Turim possibilitou aos italianos recuperarem um lugar no top-10 do ‘Football Money League’, estudo anual levado a cabo pela consultora Deloitte.

Este crescimento de receitas deveu-se também em boa parte ao bónus de 15 milhões de euros pagos pela empresa desportiva alemã Adidas, devido a um aumento da visibilidade da marca em 2018/19.

Recomendadas

Quem quer suceder a Pinto da Costa? FC Porto vai a votos. Assista ao “Jogo Económico”

Nas eleições deste fim-de-semana, Nuno Lobo e José Fernando Rio desafiam o presidente de clube mais titulado do mundo (60 títulos no futebol e mais umas largas centenas nas modalidades) e apresentam-se a escrutínio nos ‘dragões’. Esta sexta-feira, a partir das 19h00, veja as entrevistas aos dois candidatos e a análise dos nossos comentadores.

CMVM levanta suspensão da negociação das ações da SAD do FC Porto

A decisão surge depois de a SAD anunciar o adiamento do reembolso do empréstimo obrigacionista para 2021.

FC Porto adia reembolso do empréstimo obrigacionista até 2021

No comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores de Mobiliários, a SAD azul e branca refere que a decisão foi tomada na Assembleia de Obrigacionistas e “não constitui uma situação de incumprimento das obrigações FC Porto SAD 2017-2020”.
Comentários