Roubou sete mil livros de universidades no valor de quase 40 mil euros

Durante 11 meses, Darren Barr foi alternando entre as três universidades escocesas, utilizando o mesmo esquema: pedir uma licença de leitor “externo” que lhe garantia permissão para consulta das respetivas bibliotecas onde se encontravam os livros, sem que para isso tivesse que apresentar um comprovativo de identidade válido.

Darren Barr, 28 anos, foi condenado a 25 meses de prisão após ter admitido em tribunal que foi o autor do furto de mais de sete mil livros de três universidades escocesas. Após os roubos, Barr vendia os livros através da internet, recorrendo para isso a vários sites de recompra de livros. Ainda assim, quando consultados pelas autoridades, cooperaram e ajudaram a recuperar os livros roubados. No total, Darren Barr terá arrecadado perto de 40 mil euros.

Durante 11 meses, Darren Barr foi alternando entre as três universidades escocesas, utilizando o mesmo esquema, que consistia em pedir uma licença de leitor “externo”, que lhe garantia permissão para consulta das respetivas bibliotecas onde se encontravam os livros, sem que para isso tivesse que apresentar um comprovativo de identidade válido.

Entre os roubos, Barr ia consultando vários sites de recompra de livros, que por sua vez, sem perguntarem pela origem dos mesmos, prática comum neste tipo de revendedores, foram comprando os livros fazendo com que o dinheiro fluísse depressa até à conta de Barr.

O crime foi descoberto após um aluno de pós-graduação ter requisitado um dos manuais para consulta, e ter verificado que este não se encontrava disponível, por razões “desconhecidas”. Após verificar a indisponibilidade dos referidos manuais na universidade, o mesmo aluno recorreu aos sites de recompra e revenda de livros online, e quando os recebeu em mão, reparou nos carimbos da sua faculdade e rapidamente se apercebeu que estes tinham sido roubados.

Após a descoberta, a universidade de Napier, organizou um levantamento de todos os livros presentes na biblioteca e descobriu que estavam em falta mais de quatro mil livros, no valor de quase 80 mil euros.

As autoridades revelaram que o processo de venda foi feito através de três grandes sites de compra e venda de livros, o ‘WeBuyBooks’ que pagou 12 mil euros, a ‘Ziffit’ responsável por 20 mil euros e o ‘Zapper’ que contribuiu com dois mil euros.

Darren Barr confessou em tribunal os quatro crimes de que era acusado, e vai cumprir uma pena de 25 meses de prisão. O processo utiliza uma metodologia semelhante aos crimes de drogas, gangues e fraudes, e ainda que a pena já tenha sido estabelecida, o dinheiro envolvido terá ainda que ser analisado e devolvido aos respetivos sites.

Ler mais
Recomendadas

Ministra admite que a precariedade na Cultura está “mais visível” mas sem solução “em dois meses”

Segundo a ministra, o Governo está “a trabalhar” e assumiu “o compromisso de, ao longo deste ano, resolver as questões laborais, de carreiras contributivas” ou “de descontos” destes profissionais, entre outras matérias.

Lisboa e Vale do Tejo com 90% dos novos casos

Os 382 novos casos reportados estão distribuídos regionalmente da seguinte forma: Lisboa e Vale do Tejo 345, Norte 21, Centro 10, Alentejo três, Algarve dois e Açores um. A Região Autónoma da Madeira não registou novas infeções nas últimas 24 horas.

Mais de mil pessoas nas manifestações contra o racismo e a precariedade laboral no Porto

Para a Praça da Cordoaria, frente à antiga Cadeia da Relação do Porto, foi marcada, para as 17:00, a marcha “Resgatar o Futuro, não o lucro”, para depois seguirem até à Avenida dos Aliados, juntando-se à manifestação contra o racismo e contra o fascismo, organizada por um conjunto de associações.
Comentários