Rui Moreira reforça a sua inocência e diz que caso Selminho não interfere na avaliação de uma recandidatura

O presidente da Câmara Municipal do Porto falou aos jornalistas no seguimento do anúncio da decisão do seu julgamento no âmbito do caso Selminho, garantindo que se manterá inabalável perante as acusações que considera “um insulto”.

Rui Moreira considera “um insulto e uma infâmia” a possibilidade de ter beneficiado a sua família no caso Selminho, pelo qual se ficou a saber esta terça-feira que será levado a julgamento. O presidente da Câmara Municipal do Porto (CMP) reafirmou a sua inocência e garante que o caso não influenciará a sua decisão de se recandidatar ao cargo.

Reiterando que a decisão de levar o processo a julgamento “não muda em absolutamente nada” a forma de ver o caso nem a sua posição sobre o mesmo, Rui Moreira voltou a afirmar que não esteve envolvido na relação entre a empresa da sua família e a CMP.

“Tudo o que respeita à relação entre a CMP e a Selminho remonta a 2006”, afirmou Rui Moreira, que considera “absolutamente inequívoco” que não teve qualquer envolvimento no processo.

De resto, o empresário e autarca independente assegurou que o caso “não interferirá na avaliação” da sua recandidatura, mostrando-se resoluto em permanecer “inabalável como granito”.

“Desengane-se quem pense que este processo me afasta da cidade que amo”, declarou o presidente da CMP, para quem tal decisão “seria uma traição a tudo aquilo em que acredito e a todos os que estiveram a meu lado”.

Recomendadas

União Europeia perde processo contra Astrazeneca para fornecimento de mais vacinas

Segundo a decisão mais recente, a farmacêutica anglo-sueca deve entregar 15 milhões de doses até 26 de julho, outras 20 milhões até 23 de agosto e outras 15 milhões até 27 de setembro.

Empresário luso-angolano avança para tribunal sueco para anular apreensão de bens e prisão preventiva

Carlos São Vicente, dono do grupo AAA, instaurou um processo contra o Estado de Angola, no Tribunal Arbitral de Estocolmo, para anular a apreensão de bens e a prisão preventiva decretada pela justiça angolana.

Banco de Portugal diz que Novo Banco Espanha pode ainda ser absolvido pelo Supremo espanhol

Em causa está um processo que foi intentado em 2015 contra o Novo Banco Espanha por uma cliente espanhola do BES Espanha que em 2008 comprou ao balcão ações de um banco islandês que faliu logo a seguir. Há uma decisão do Tribunal de Justiça Europeu desfavorável ao Novo Banco Espanha. BdP defende que “as conclusões do TJUE não serão aplicáveis aos processos que correm nos tribunais portugueses”.
Comentários