Rui Rio congratula-se com a aproximação do PS às propostas do PSD

Desta vez no Porto, o líder do PSD afirmou que, tanto na área da redução dos impostos como no investimento público, os socialistas estão a convergir com os sociais-democratas. Fica por saber, diz Rio, como é o financiamento.

O líder do PSD, Rui Rio, continuou esta quarta-feira um pequeno périplo (em versão de almoço) junto dos empresários – que começou ontem em Lisboa e seguiu hoje na sede da Fundação AEP, num evento organizado pela Confederação de Comércio e Serviços de Portugal – durante o qual teve oportunidade de afirmar que está contente com o facto de o PS vir a aproximar as suas promessas eleitorais daquelas que o seu partido (ou ele próprio) tem vindo a propor.

Mais especificamente, Rui Rio referia-se à ultima promessa socialista de diminuir os impostos em cerca de 200 milhões de euros. “Se quisermos acreditar naquilo que o PS diz, quer dizer que está no caminho certo e está a vir até nós. 200 milhões é uma insignificância – mas o PS caminha para um quadro económico parecido com o nosso, que é de prudência com ambição”, referiu.

O líder social-democrata recordou que “a redução de impostos e o aumento do investimento público são, da parte do PSD, coisas exequíveis” e voltou a afirmar que, “no que se refere ao aumento do investimento público, temos 3,6 mil milhões para privilegiar a saúde e os transportes”.

Congratulando-se com o facto de o PS estar a aproximar-se do PSD, Rio foi contudo muito crítico quanto à forma como os socialistas chegam às promessas que se propõem avançar no próximo ano, se se der o caso de ganharem as eleições. O problema, diz, é que o PS não explica de que forma chega às promessas que entende apresentar aos portugueses – nomeadamente no que tem a ver com a forma de as financiar.

É a tradicional falta de rigor dos socialistas, afirma Rio, que acusa o PS de fazer as coisas exatamente ao contrário do que é suposto. “Nós pegamos no quadro macroeconómico oficial do Conselho de Finanças Públicas, e trabalhamos a partir daí”, e é por isso que “estamos longe de dizer que em quatro anos os portugueses vão ficar no paraíso”.

Mais especificamente, Rio quis referir a questão do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que o PS admite estar em má posição, apesar de assegurar que manteve ali um elevado nível de financiamento. “O PS sente a necessidade de dizer o mesmo que nós temos vindo a dizer, o que comprova que o que temos vindo a dizer tem sustentabilidade, senão não andaríamos a ser copiados”, referiu.

Rio insistiu: “Quando o Governo vem dizer que investiu mais dinheiro, mas o SNS está pior, é grave. Se ganhar as eleições vai fazer melhor? Como? Os partidos têm de propor coisas de forma equilibrada. No SNS, o PS dá o braço a torcer, diz que está mal mas vai por bem, sem dizer como”. Novamente uma questão de financiamento.

Sobre a educação, “não tenho informações que vai correr bem ou mal, temos de aguardar o que vai acontecer”, disse Rio, que não se esqueceu de reforçar que “sabemos que se o PS ganhar as eleições haverá um conflito com os professores; se for o PSD a ganhar, iremos sentar-nos à mesa com eles”.

Rio recordou que “é absolutamente vital ter um modelo de crescimento económico diferente do que temos tido, se é que se pode chegar modelo de crescimento àquilo a que temos assistido”. O crescimento, “muito assente no consumo”, está desalinhado com as prioridades, uma vez que destrói a balança comercial e é por isso, diz Rio, que “os bens transacionáveis” têm de regressar ao topo das prioridades.

Numa sala cheia – mas falha de empresários de topo –, Rui Rio explicou a forma como o PSD chegou às soluções que tem vindo a apresentar ao eleitorado, tendo partido do quadro proposto pelo Conselho. Prudência com ambição, recordou.

Ler mais
Recomendadas

Secretário de Estado não validou bilhete no metro de Lisboa? Polémica invade redes sociais

Miguel Cabrita, secretário de Estado do Emprego, saiu da estação de metro encostado a António Costa e as reações nas redes sociais não se fizeram esperar. Mas observando o vídeo com atenção, é possível perceber que o governante tem um bilhete na mão e que o valida.
Francisco Ferreira

Polémicas já provocaram a demissão de 15 membros do Governo de António Costa

José Artur Neves apresentou a demissão no mesmo dia em que a PJ realizou buscas no ministério da Administração Interna, Proteção Civil e a empresa fornecedora por suspeitas relacionadas com a compra das golas antifumo. A primeira demissão teve lugar cinco meses depois do Governo tomar posse, quando ministro da Cultura prometeu “salutares bofetadas” a crítico.

Secretário de Estado da Proteção Civil demite-se

Artur Neves pediu a exoneração do cargo do Secretário de Estado da Proteção Civil, após as buscas no âmbito do inquérito que investiga a polémica com as golas antifumo.
Comentários