Rui Rio considera “censurável” que Novo Banco já conheça a auditoria

Depois de ter referido que a auditoria continha mais informações sobre o Banco Espírito Santo, Rui Rio estranhou o Novo Banco ter informações sobre o documento elaborado pela Deloitte, tendo em conta que os deputados não tiveram acesso a todos os dados

O presidente do PSD Rui Rio considera que é “censurável” que o Novo Banco  já conheça a auditoria realizada pela Deloitte, enquanto que os deputados ainda não acederam ao documento.

“Se a auditoria ainda não é do conhecimento de ninguém, nem sequer dos próprios deputados, legítimos representantes dos que estão a pagar esta fatura indecente, é censurável que o Novo Banco já a conheça e estranho que, de imediato, consiga enaltecer que ela vem em seu socorro”, escreveu Rui Rio.

Sobre a informação que consta no documento a que os deputados tiveram acesso esta terça-feira, o líder social democrata referiu na terça-feira que a auditoria continha mais dados sobre o “BES [Banco Espírito Santo] do que do Novo Banco”.

“A auditoria [da Deloitte] ainda não conheço, mas acho estranho que se fale mais do BES [Banco Espírito Santo] do que do Novo Banco, porque agora o que está em cima da mesa para nós pagarmos é o Novo Banco. O BES já está pago e entregue à justiça”, sublinhou Rui Rio depois da sua visita ao hospital São João.

Rui Rio acredita que “mais informação sobre o BES não é mau, mas não é neste momento aquilo que é premente”, mas recorda que “sobre o BES já todos sabemos a desgraça que foi e pagámos a fatura que pagámos e, inclusive, há já uma acusação formulada pelo Ministério Público que agora segue a sua tramitação normal e que irá acabar, naturalmente com o julgamento”.

Para o líder do PSD, falta apurar se a partir do momento em que o Novo Banco foi vendido à Lone Star em 2017, o dinheiro que os contribuintes têm pago para o Novo Banco “está correto”.

A auditoria aos atos de gestão dos últimos 18 anos do BES/Novo Banco analisa operações que geraram perdas de quatro mil milhões de euros, segundo anunciou o Ministério das Finanças na terça-feira.

Por sua vez, o Novo Banco disse na terça-feira, em comunicado, que já “tomou conhecimento do relatório” e sublinhou que “o documento final transmite a clareza e colaboração em que decorreu o processo de análise e confirma a forma transparente e competitiva com que o Novo Banco tem vindo a recuperar o seu balanço”.

Para o Novo Banco o relatório “evidencia que as perdas incorridas pelo Novo Banco decorreram fundamentalmente de exposições a ativos que tiveram origem no período de atividade do Banco Espírito Santo e que foram transferidos para o Novo Banco no âmbito da resolução”.

Na terça-feira, o Jornal Económico tinha avançado com a notícia que a auditoria feita pela Deloittte tinha entrado na Assembleia da República como documento “classificado” e algumas informações seriam excluídas à semelhança de outro tipo de relatórios que tem acesso condicionado e foram igualmente amputados de informação.

A ausência de informação foi igualmente enaltecida pela deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua que sublinhou a necessidade de “a Assembleia da República tem de ter todos os dados para poder analisar o que se passou no BES e Novo Banco incluindo nomes de empresas, nomes de devedores e de empresas que já tiveram as operações reestruturadas e perdoadas”. De forma a contornar o problema o Bloco de Esquerda requereu ao Governo a versão completa do documento.

Da mesma forma, o PAN também pediu que o Governo divulgasse a versão completa da auditoria e pediu que fossem apuradas todas as responsabilidades políticas pelos atos de gestão pelo Novo Banco que “lesaram o erário público”.

 

Ler mais
Relacionadas

Novo Banco: Deputados querem saber o que podem (e não podem) divulgar da auditoria

Auditoria da Deloitte a 18 anos de gestão do BES/Novo Banco será divulgada depois de serviços jurídicos do Parlamento e Governo indicarem o que é confidencial e as informações que podem ser desclassificadas. Pretende-se tornar público o relatório sem as informações consideradas sigilosas que obrigam os deputados a cumprir as regras do segredo bancário.

Rui Rio estranha que auditoria da Deloitte fale “mais do BES do que do Novo Banco”

O líder social-democrata considera que “mais informação sobre o BES não é mau”, mas sublinha que o importante agora é perceber o que levou às perdas e sucessivos pedidos de injeções de capital do Novo Banco ao Fundo de Resolução, após a resolução do BES.

Novo Banco: auditoria da Deloitte confirma recuperação do balanço de “forma transparente e competitiva”

“A análise evidencia a importância dos processos de alienação de ativos para a recuperação do balanço do Novo Banco. As melhorias operacionais alcançadas colocam o Novo Banco numa posição sólida que permite apoiar os seus clientes e a economia portuguesa neste momento crítico da nossa vida coletiva”, referiu a instituição financeira liderada por António Ramalho.

Bloco de Esquerda pede ao Governo versão integral da auditoria ao Novo Banco

Requerimento da deputada Mariana Mortágua alega que relatório integral da auditoria especial ao Novo Banco é “fundamental para a compreensão dos prejuízos que têm conduzido a avultadas injeções de capitais públicos no antigo BES”.

Venda da Tranquilidade passou pelo crivo da Deloitte

A venda da Tranquilidade fechada em 2015 à Apollo, que depois a revendeu por um valor substancialmente mais elevado, faz parte da análise da Deloitte, que avaliou os atos de gestão do BES/Novo Banco entre 2000 e 2018.

Governo avisa deputados para sigilo na divulgação de dados da auditoria ao Novo Banco

Na consulta à auditoria especial aos atos de gestão do BES/Novo Banco, os deputados vão estar impedidos de divulgar informação abrangida pelo segredo bancário. O alerta é feito pelo ministro das Finanças na carta que acompanhou o envio do relatório ao Parlamento, cujo documento foi classificado como “confidencial”. Parlamentares não poderão, por exemplo, divulgar os valores individuais e os nomes de quem contraiu dívidas junto do BES e do Novo Banco.
Recomendadas

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.

Ex-Governador do BdP reafirma que auditora deveria ter comunicado reservas sobre BESA

Carlos Costa afirmou que a garantia soberana emitida pelo Estado angolano remetia para um anexo que nunca foi do conhecimento do Banco de Portugal.
Comentários