Rui Rio diz que só no fim da investigação se saberá se caso de Tancos origina crise política

O líder do PSD defendeu hoje que só no fim da investigação judicial ao “caso de Tancos” e face aos resultados que a comissão de inquérito for produzindo se poderá avaliar se o processo originará “uma crise” política.

“Quando a investigação no patamar judicial terminar e depois quando a comissão parlamentar, de perfil político, for produzindo resultados vamos naturalmente ter um conhecimento total daquilo que aconteceu. E esse conhecimento total pode ou não originar uma crise, tudo depende do que se vier a conhecer”, declarou.

O líder do PSD falava aos jornalistas à margem de uma iniciativa do partido designada “Universidade da Europa”, em Lisboa, após instado a comentar as palavras do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, sobre uma hipotética crise política em resultado do caso de Tancos.

“Não sabendo das conclusões da investigação, eu sei lá o que é que a investigação apura”, respondeu Marcelo Rebelo de Sousa, após questionado, quarta-feira, sobre se teme a possibilidade de uma crise política originada pelo caso do furto de material militar em Tancos.

“Mas, olhando para aquilo que se apurou até hoje, é prematuro estar a fazer juízos dessa natureza. Agora vamos esperar”, acrescentou o Presidente da República.

Para Rui Rio, “o que o Presidente da República diz é óbvio” já que ainda falta conhecer a “realidade de tudo aquilo que se passou” quer no furto quer depois do furto de material militar dos paióis de Tancos, em junho do ano passado.

O líder social-democrata reconheceu que o caso “tem levado ao descrédito do governo e não só no setor da Defesa”, considerando que é “particularmente penoso para o país e para as Forças Armadas”.

Por essa razão, insistiu, “é importante que a investigação, no patamar judicial, acelere e que possa produzir resultados o mais depressa possível”.

“Porque senão isto vai sendo dado devagarinho, uma coisinha aqui, outra coisinha acolá, umas poderão ser verdade, outras poderão ser mentiras, mas todas elas descredibilizam as Forças Armadas e o país”, declarou.Rio

Recomendadas

PS insiste que negociações do Orçamento do Estado para 2022 devem continuar na especialidade

José Luís Carneiro reforçou a intenção do PS em “apreciar as propostas” dos parceiros, mas com o propósito de “encontrar os pontos de equilíbrio e de bom senso”, na última das audiências que o Presidente da República manteve com os partidos nesta sexta-feira.

Catarina Martins sinaliza que “só não há um OE se o Governo não quiser”

A líder bloquista exemplificou algumas das áreas nas quais quer ver avanços no documento de OE, como o SNS ou as “longas carreiras contributivas”, esclarecendo ainda que “não se prende por questões formais”, pretendendo apenas “redações exatas das leis”.
Nuno Melo e Francisco

Nuno Melo abre e Rodrigues dos Santos encerra escola de quadros da Juventude Popular

Atual líder centrista e o eurodeputado que pretende ser o próximo presidente do partido não se irão cruzar no hotel de Portimão onde decorre uma ação de formação que conta com convidados como o social-democrata Miguel Pinto Luz e o socialista Álvaro Beleza, presidente da SEDES.
Comentários