Rui Rio prevê derrota do Governo no IVA da cultura e sublinha “divisão” no PS

O presidente do PSD está convencido de que o Governo “vai ter uma derrota” em relação ao IVA da Cultura, pela proposta de manutenção do IVA a 13% para a tauromaquia, tal como por outras “discriminações”.

O presidente do PSD está convencido de que o Governo “vai ter uma derrota” em relação ao IVA da Cultura, pela proposta de manutenção do IVA a 13% para a tauromaquia, como por outras “discriminações” da proposta do executivo.

“Estou convencido de que o Governo vai ter uma derrota e vai ser corrigido em sede de especialidade”, afirmou este sábado Rui Rio, que falava aos jornalistas após uma reunião do Conselho Estratégico Nacional do PSD, em Coimbra.

De acordo com Rui Rio, no caso da manutenção do IVA da tauromaquia nos 13%, houve um “choque forte” entre o primeiro-ministro, António Costa, e a direção da bancada parlamentar do PS, que propôs uma redução do IVA para as touradas para 6%, contrariando a proposta do Governo.

“Neste caso concreto, não houve divisão nenhuma no PSD. Pode haver até uma ou outra pessoa que possa pensar diferente, agora não aconteceu no PSD aquilo que aconteceu no Partido Socialista”, vincou Rui Rio, ironizando que, caso uma situação dessas acontecesse no seu partido, não saberia “quantos telejornais não abriria”.

Recomendadas

PS disponível para “construir solução” que responda a dúvidas do PR sobre inseminação pós-morte

O deputado socialista Pedro Delgado Alves considerou que Marcelo Rebelo de Sousa não manifestou reservas nem dúvidas jurídicas quanto “ao essencial do projeto”, mas sobre “dois aspetos particulares do regime”.
ana_catarina_mendes_ps

PS quer teletrabalho por apenas por “mútuo acordo” e em “condições iguais” no público e privado (com áudio)

Os socialistas querem consagrar na lei o direito a desligar e garantir um tratamento igual entre os trabalhadores em teletrabalho e os em regime presencial. A proposta prevê ainda que os empregadores paguem os custos inerentes ao teletrabalho (como luz, gás e telecomunicações) mas mediante “negociação coletiva”.

Marcelo devolve ao Parlamento decreto sobre inseminação pós-morte (com áudio)

O chefe de Estado pede aos deputados que reconsiderem as disposições relativas ao direito sucessório e questiona a sua aplicação retroativa da inseminação artificial com sémen de um conjugue já falecido ou a transferência de um embrião para realizar um projeto parental.
Comentários