Rui Rio: “Tanto sou do centro-direita como do centro-esquerda”

Instado a comentar sobre se o PSD deveria encostar-se à direita, Rui Rio não poderia discordar mais já que, “perdendo o centro e essa componente moderada da sociedade, temos mais dificuldade em crescer”.

rui_rio_psd
António Cotrim/Lusa

Rui Rio, líder do PSD e candidato a presidente do partido nas eleições diretas, definiu-se, em entrevista à “Antena 1”, como um político sobretudo de centro.

Instado a comentar sobre se o PSD deveria encostar-se à direita, Rui Rio não poderia discordar mais já que, “perdendo o centro e essa componente moderada da sociedade, temos mais dificuldade em crescer”.

Olhando para a direita em Portugal, o líder e candidato a presidente do PSD questiona: “à nossa direita, vamos buscar o quê? O CDS tem cinco deputados, a Iniciativa Liberal e o Chega têm um deputado cada; ou seja, sete deputados ao todo. Onde nós temos que crescer é na componente moderada da sociedade e no centro. Temos de crescer onde estão os votos e os votos estão mais à esquerda, é um raciocínio elementar”, defendeu Rui Rio.

O líder dos sociais-democratas garante que faz esta análise “por uma questão aritmética mas também por convicção, porque eu não sou nem de esquerda nem de direita, sou de centro. Há áreas de governação em que me sinto mais à esquerda e há outras onde me sinto mais à direita”.

O atual presidente do PSD, Rui Rio, foi o candidato mais votado nas eleições diretas de sábado com 49,44% dos votos expressos, segundo os resultados provisórios divulgados pelo Conselho de Jurisdição Nacional, mas não conseguiu a maioria absoluta, pelo que irá disputar no sábado uma segunda volta com Luís Montenegro, que obteve 41,26% dos votos.

Relacionadas

Diretas do PSD não tiverem um único eleitor em quatro concelhos

Alentejo e Algarve foram as zonas onde a participação na primeira volta foi ainda mais baixa. Mesmo ficando à beira da maioria absoluta, Rui Rio perdeu sete mil votos em relação a 2018 e teve o pior número de votos de um candidato mais votado desde que o PSD passou a chamar os militantes a escolher o presidente do partido nas urnas.

Presidente da JSD-Lisboa declara apoio a Luís Montenegro

Alexandre Poço junta-se a Ângelo Pereira, Bruno Vitorino e Matos Rosa entre os apoiantes de Miguel Pinto Luz que se posicionam ao lado do antigo líder do grupo parlamentar contra Rui Rio.
rui_rio_psd_legislativas_1

“Qual é a diferença entre um desastre eleitoral e um resultado jeitoso?”. Rui Rio ironiza com diretas do PSD

O aluno responde que a diferença é de 0,4% e justifica: “Quando em outubro o PS teve mais 8,5% do que o PSD, eles acharam que houve um desastre. E agora que perderam por 8,1%, acham que tiveram um resultado jeitoso”.
Recomendadas

Presidente da Iniciativa Liberal diz que “poderes políticos puseram conscientemente em causa a vida das pessoas por motivos ideológicos”

João Cotrim Figueiredo disse que “não houve ninguém do PS para a esquerda que tivesse a hombridade” de reconhecer que a contratação de consultas de especialidade e de cirurgias aos hospitais privados era uma forma de evitar uma segunda crise de saúde pública “escondida por debaixo da Covid-19”.

António Costa reúne-se hoje com homólogo holandês em Haia

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se hoje em Haia com o seu homólogo holandês, Mark Rutte, no quadro dos encontros bilaterais que tem mantido com outros líderes europeus antes do Conselho Europeu de sexta-feira e sábado em Bruxelas.

“A minha obrigação era sair”, diz João Talone sobre demissão do Banco de Portugal

Nomeados por Mário Centeno, quatro membros do Conselho Consultivo do BdP colocaram o seu lugar à disposição do seu sucessor. Um desses membros, João Talone, afirmou ao JE que apresentou a demissão a 18 de junho e que sai do BdP para “dar liberdade a novo ministro” das Finanças na escolha dos membros independentes
Comentários