Escândalo do doping: Rússia vai poder competir no Euro 2020, mas está banida do Mundial de 2022

A Rússia foi excluída dos Jogos Olímpicos e mundiais de futebol nos próximos quatro anos, mas vai poder participar no Euro 2020. Os atletas que puderem provar que não estão incluídos no escândalo de doping podem competir com bandeira neutra.

A Rússia foi esta segunda-feira excluída dos Jogos Olímpicos durante quatro anos, devido a questões de doping levadas a cabo com o apoio estatal tornadas públicas há cerca de seis anos, segundo um anúncio da Agência Mundial Antidopagem (AMA).

O país não vai competir em várias provas como os Jogos Olímpicos de Verão em Tóquio de 2020, os Jogos de Inverno de Pequim em 2022 ou o Mundial de Futebol no Qatar em 2022. Mas vai poder competiro no Europeu de Futebol em 2020.

Contudo, e de acordo com a “BBC”, os atletas que não estejam incluídos neste escândalo de doping podem vir a competir com uma bandeira neutra. Algo que já aconteceu nos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 em Pyeongchang, quando 168 atletas competiram com a também denominada bandeira olímpica, depois do país ter sido banido após os JO de 2014, sediados em Sochi. Os atletas russos conquistaram 33 medalhas em Sochi, 13 das quais eram de ouro.

O comité executivo de Wada tomou a decisão unânime numa reunião realizada em Lausanne, na Suíça. Esta decisão é passível de recurso para o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), nos próximos 21 dias.

A decisão da AMA ocorre depois da Agência Antidopagem da Rússia (Rusada) ter manipulado os dados de laboratório entregues aos investigadores em janeiro de 2019. A Rússia foi proibida de competir como nação no atletismo desde 2015.

Apesar da proibição, a Rússia poderá competir na Euro 2020, na qual São Petersburgo será uma cidade-sede -, pois a UEFA, órgão governamental do futebol europeu, não é definido como uma ‘organização de grandes eventos’ no que diz respeito a decisões sobre violações antidopagem.

Ler mais
Recomendadas

Fórmula 1 regressa a Portugal com o apoio da cervejeira Heineken

Esta marca de cerveja, que pertence ao grupo que controla a Central de Cervejas, vai lançar uma campanha que resulta da parceria global com a Fórmula 1, iniciada em 2016, “plataforma excecional que tem servido para reforçar o compromisso da cerveja Heineken na promoção de mensagens responsáveis sobre o consumo de bebidas álcoolicas aliado à condução”.

“Jogo Económico”: “Ausência da receita da bilheteira traz impacto significativo”

Na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, Miguel Farinha, partner da EY, realçou que ao nível das receitas, os clubes portugueses estão dependentes de duas variáveis colocadas em causa pela pandemia: as transferências e as receitas de bilheteira.

Quase 20 milhões de euros em apenas um mês. Quanto pode ganhar Jorge Mendes neste mercado?

Jorge Mendes continua a ser o principal agente de futebol a nivel mundial. O agente português não teve contratempos relativos à pandemia de Covid-19 e, como prova do seu trabalho, finalizou cinco negócios no espaço de um mês, todos eles avultados, que poderão render ao agente português quase 20 milhões de euros.
Comentários