Rússia: Medina pediu auditoria sobre realização de outras manifestações em Lisboa (com áudio)

O presidente da Câmara de Lisboa anunciou que pediu uma auditoria sobre a realização de manifestações no município nos últimos anos, no seguimento da partilha indevida de dados de ativistas russos.

Cristina Bernardo

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, anunciou esta tarde que pediu uma auditoria sobre a realização de manifestações no município nos últimos anos, no seguimento da partilha indevida de dados de ativistas russos.

Em declarações à RTP, Fernando Medina disse que pediu uma auditoria a “todos os procedimentos adotados em todas as manifestações que aconteceram para trás”, ou seja, nos últimos anos e até abril passado, quando o procedimento sobre realização de protestos foi revisto.

Os jornais Expresso e Observador noticiaram na quarta-feira que a Câmara Municipal de Lisboa fez chegar às autoridades russas os nomes, moradas e contactos de três ativistas russos que organizaram em janeiro um protesto, em frente à embaixada russa em Lisboa, pela libertação de Alexey Navalny, opositor do Governo russo.

Em conferência de imprensa, esta quinta-feira de manhã, Fernando Medina admitiu que foi feita a partilha de dados pessoais dos três ativistas, pediu “desculpas públicas” e assumiu que foi “um erro lamentável que não podia ter acontecido”.

Os ativistas russos, cujos dados foram partilhados, anunciaram que vão apresentar uma queixa na justiça contra a câmara municipal.

Ao final do dia, Fernando Medina explicou na RTP que a auditoria será feita a todas as manifestações que ocorreram na capital, pelo menos desde 2011, ano em que houve uma alteração legislativa com o fim dos governos civis, que fez transitar para as autarquias algumas competências sobre realização de manifestações.

Medina afirmou ainda que a Câmara Municipal acolheu queixas em abril e deu razão aos três ativistas russos, mas que só soube “há poucos dias” do caso pela comunicação social.

Na conferência de imprensa, Fernando Medina explicou que a partilha de dados resultou de “um funcionamento burocrático” da autarquia sobre realização de manifestações, entretanto já alterado em abril: Os promotores de uma qualquer manifestação devem comunicá-la à câmara até 48 horas antes da data, indicando o local, hora e dados de quem organiza.

Esses dados são partilhados com a PSP, o Ministério da Administração Interna e “as entidades onde a manifestação se vai realizar”, explicou Fernando Medina. Neste caso, a entidade era a embaixada da Rússia em Lisboa.

“É aqui que há o erro da câmara, tratando-se desta manifestação esta informação não podia ter sido transmitida”, disse.

O caso originou uma onda de críticas e pedidos de esclarecimento da Amnistia Internacional e de partidos políticos, nomeadamente do PSD, CDS-PP, Bloco de Esquerda, PCP, Iniciativa Liberal, Livre e Volt Portugal.

À margem das comemorações do Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades Portuguesas, o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse aos jornalistas que a partilha de dados foi lamentável.

“Realmente é lamentável que isso tenha acontecido, e percebo o pedido de desculpa do senhor presidente da Câmara Municipal de Lisboa. O que ele disse é, no fundo, aquilo que todos os responsáveis sentem, que não devia acontecer, não devia ter acontecido e espera-se que não volte a acontecer”, considerou.

Carlos Moedas, candidato do PSD à Câmara de Lisboa, pediu a demissão de Fernando Medina e o partido Aliança disse que vai participar o caso à Procuradoria-Geral da República.

À RTP, Fernando Medina voltou a desvalorizar os pedidos de demissão, apelidando-os de “delírio de oportunismo político”: “Estamos num tempo político em que o aproveitamento político é muito evidente”.

A Comissão Nacional de Proteção de Dados confirmou hoje que abriu um processo de averiguações à partilha de dados pessoais dos três ativistas russos.

Relacionadas

Ativistas russos vão apresentar queixa contra Câmara Municipal de Lisboa

Os ativistas russos cujos dados foram partilhados anunciaram hoje que vão apresentar uma queixa na justiça contra a Câmara Municipal de Lisboa para que tal “não volte a acontecer” com cidadãos portugueses.

“Era um procedimento errado e foi corrigido”, diz Augusto Santos Silva sobre dados enviados à Rússia

Apesar de considerar que o erro foi corrigido, o ministro diz esperar “que as autoridades russas que receberam indevidamente os dados cumpram as leis internacionais da proteção de dados e os apaguem”.

Da esquerda à direita: O que dizem os partidos sobre a cedência de dados à Rússia?

Na generalidade, deputados e candidatos à Câmara de Lisboa pretendem ver a situação esclarecida e apontam para “a violação da lei.”
Recomendadas

Portugal aloja sete das 366 fábricas da UE para produção de vacinas (com áudio)

GenIbet Biopharmaceuticals, Neutroplast, Bluepharma – Indústria Farmacêutica, IMMUNETHEP, os Laboratórios Basi – Indústria Farmacêutica e a Stemmatters, Biotecnologia e Medicina Regenerativa são os sete centros onde estas vacinas são produzidas.

Público na Supertaça? “É uma hipótese em cima da mesa”, diz Marta Temido (com áudio)

A Ministra da Saúde revelou que a possibilidade do jogo do próximo sábado se enquadra na lista de eventos ao ar livre e com lugar marcado, o que corresponde aos parâmetros recomendados pelos especialistas na reunião desta terça-feira no Infarmed.

SNPVAC acusa TAP de usar algoritmo ‘cego’ que despede “marido e mulher” (com áudio)

O despedimento coletivo iniciou-se na segunda-feira e abrange 124 trabalhadores do grupo, dos quais 28 são tripulantes de cabine.
Comentários