Rússia resgata maior banco privado do país

Este será o maior resgate de um banco privado russo desde a intervenção no Bank of Moscow, que aconteceu em 2011.

O banco central da Rússia vai resgatar o maior banco privado do país e oitavo maior em termos de volume de ativos, o Bank Otkritie, segundo noticia a agência Europa Press. A medida, que não deverá implicar perdas para os depositantes e detentores de dívida, deve-se aos problemas de liquidez do banco e visa que as operações continuem como normal.

O Banco da Rússia irá, assim, passar a ser o maior acionista do Bank Otkritie, através de uma injeção de fundos públicos. Os acionistas e a administração do Otkritie estarão a colaborar na operação para “assegurar a continuidade do banco e dos serviços sem interrupção”, segundo um comunicado do banco central, citado pela Bloomberg.

O resgate acontece no seguimento de uma queda no valor dos depósitos do banco, que começou em junho. Em dois meses, as perdas em depósitos terá chegado aos 611 mil milhões de rublos, equivalente a cerca de 12,5 mil milhões de euros e a 20% da folha de balanço do banco.

Este será o maior resgate de um banco privado russo desde a intervenção no Bank of Moscow, que aconteceu em 2011. “Aparentemente o Otkritie vai ser salvo a qualquer preço”, explicou o economista do Danske Bank, Vladimir Miklashevsky em entrevista à Bloomberg.

Recomendadas

PremiumImparidades de 841,2 milhões de euros tiram 300 milhões ao lucro do BCP

O BCP teve lucros de 183 milhões de euros, menos 39,4% do que em 2019, graças às provisões de 841,2 milhões de euros no contexto Covid-19. Polónia e Fundos de Restruturação impactaram nas contas.

PremiumBloco de Esquerda questiona Novo Banco no Eurobic

Bloquistas perguntam ao Ministério das Finanças sobre a operação e o seu impacto.

Leia aqui a primeira edição do Quem é quem no sector financeiro em Portugal em 2021

A primeira edição do Quem é Quem no Sector Financeiro em Portugal do JE inclui entrevista ao presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Fernando Faria de Oliveira, e as análises de Paulo Macedo, presidente da CGD, de Miguel Maya, presidente do BCP, de António Ramalho, presidente do Novo Banco, de Pedro Castro Almeida, presidente do Santander Totta, de João Pedro Oliveira e Costa, presidente do BPI, de Pedro Leitão, presidente do Montepio, Alberto Ramos, presidente do Bankinter Portugal e de Pedro Pimenta do Abanca Portugal.
Comentários