Ryanair explica alterações das regras de ‘check-in’

A companhia aérea irlandesa sublinha que “este espaço temporal é o dobro das 24 horas para ‘check-in online’ permitidas pela British Airways, Aer Lingus, Norwegian ou a Iberia e superior ao período de 36 horas para o ‘check-in online’ da TAP.

Fonte oficial da Ryanair enviou ao Jornal Económico um comentário oficial sobre a alteração das regras de ‘check-in’ por parte dos passageiros a partir de 13 de junho, em reação à notícia publicada pelo Jornal Económico ontem, dia 16 de maio.

“O ‘check-in online’ (para clientes que não adquiriram assentos reservados) estará disponível a partir de 48 horas antes do voo e até duas horas da partida em todos os voos a partir de 13 de Junho”, explica a companhia aérea ‘low cost’.

A companhia aérea irlandesa sublinha que “este espaço temporal é o dobro das 24 horas para ‘check-in online’ permitidas pela British Airways, Aer Lingus, Norwegian ou a Iberia e superior ao período de 36 horas para o ‘check-in online’ da TAP.

“Esta pequena alteração irá permitir aos clientes que desejem reservar assentos mais tempo para escolher o seu lugar preferido antes da partida do voo”, conclui anota oficial da Ryanair enviada ao Jornal Económico.

Relacionadas

Ryanair dificulta a vida a milhões de passageiros sem lugares reservados

A companhia aérea ‘low cost’ irlandesa está a dificultar a vida a todos os passageiros que optam por não pagar extras para reservar o seu lugar nos aviões.

Ryanair vai comprar mais 25 aviões

Este anúncio é feito na mesma altura em que os tripulantes de cabine da transportadora aérea irlandesa, de sindicatos de países diferentes, se reúnem para decidir se convocam uma greve geral a nível europeu.

Metade dos pilotos das companhias low-cost são precários

A ECA diz que a situação está de tal modo que há mesmo jovens pilotos que pagam para voar, para ganharem, assim, experiência de voo.
Recomendadas

A importância do “jornalismo lento” como impulsionador do “pensamento crítico sobre o que nos rodeia”

Quiosque Manifesto organiza palestra sobre o “jornalismo lento”, com um dos editores da revista “Delayed Gratification”, precursora desse conceito. A coordenadora Inês Catarina Pinto refuta a “morte do papel”, diz que “estamos a viver uma época de ouro das publicações independentes” e enaltece a “valorização da informação como conhecimento”.

Luz Saúde aumenta lucros para 9,4 milhões de euros

O grupo manteve a sua trajetória de crescimento orgânico combinado com a expansão geográfica da rede de cuidados privados.

Amorim/Vanguard sozinho no concurso para a venda da Comporta

‘And then there was one’. O grupo Amorim e a Vanguard Properties de Claude Berda ficaram sozinhos no concurso organizado pela Deloitte. Mas ainda tem de passar na Assembleia de Participantes.
Comentários