Ryanair tem “falta de vergonha” quando critica ajuda dada à TAP, diz Pedro Nunos Santos

O ministro apontou que a empresa irlandesa é “subsidiada pelo Estado português para voar para o Porto, Faro, Açores e subsidiada por quase todos os países europeus”. A Ryanair disse que o empréstimo estatal concedido à TAP é “escandaloso”, considerando ser o “o maior desperdício de dinheiro de sempre em Portugal”.

Cristina Bernardo

O ministro das Infraestruturas criticou hoje a Ryanair por ter feito críticas ao auxilio estatal recebido pela TAP, quando a companhia low cost também recebe ajudas do Estado português.

“A Ryanair tem sido acusada pelos seus trabalhadores e condenada por não respeitar a legislação do nosso pais, em matéria de subsídio de ferias e de indemnização por despedimento. Há consequências gravosos para quem trabalha nestas companhias aéreas”, começou por dizer Pedro Nuno Santos esta quinta-feira.

“A companhia aérea interpôs uma ação contra o Estado português, ou diz que vai interpor” devido ao empréstimo estatal de 1.200 milhões de euros recebido pela TAP e aprovado pela Comissão Europeia.

O ministro apontou que a empresa irlandesa é “subsidiada pelo Estado português para voar para o Porto, Faro, Açores e subsidiada por quase todos os países europeus”.

“É um paradoxo e uma falta de vergonha que têm quando se dirigem ao auxílio para a TAP”, criticou Pedro Nuno Santos.

No início de setembro, o presidente executivo da Ryanair, Eddie Wilson, disse que o empréstimo estatal concedido à TAP é “escandaloso”, considerando ser o “o maior desperdício de dinheiro de sempre em Portugal”, em entrevista à Lusa.

Na audição parlamentar na comissão de economia, o ministro apontou que a Ryanair está a “queimar” 250 milhões de euros por mês, enquanto a Lufthansa “queima” 500 milhões por mês, disse, referindo-se ao facto destas companhias aéreas manterem várias rotas a operar, mesmo com poucos passageiros e sem dar lucro.

“Não temos capacidade” para enveredar por essa estratégia, assumiu, defendendo que é preciso fazer uma “gestão mais criteriosa”.

Pedro Nuno Santos também apontou que a Ryanair era a empresa que estava numa “situação mais favorável para enfrentar a crise”, referindo-se à almofada de liquidez de que disponha antes da pandemia da Covid-19.

Ler mais
Relacionadas

Novo presidente executivo da TAP vai ser escolhido até ao final do ano

O ministro responsável pela tutela da TAP disse que o novo presidente executivo poderá ter qualquer nacionalidade, não excluindo qualquer “geografia”, incluindo Portugal. As propostas para o cargo de CEO, preparadas por uma consultora de recursos humanos, vão começar a ser analisadas a “breve prazo”.

TAP pode vir a operar aviões mais pequenos a partir do Porto e Faro para combater low cost

O objetivo seria voar a partir destas duas cidades usando os aviões da Tax Express para aeroportos mais baratos na Europa, normalmente fora das grandes cidades, para fazer concorrência a companhias aéreas low cost como a Ryanair, Easyjet e Transavia. Medida está a ser estudada no âmbito do plano de reestruturação.

TAP vai perder 1.600 trabalhadores este ano

O ministro das Infraestruturas fez hoje um ponto de situação na companhia aérea que é maioritariamente detida pelo Estado português. Até agora, saíram 1.200 trabalhadores da empresa e vão sair mais 400 até ao final do ano.
Recomendadas

AHRESP entende que proibição de circulação não se aplica às reservas feitas previamente

No entanto, porque persistem dúvidas sobre a interpretação desta norma, a associação da restauração e hotelaria garante que irá questionar a tutela sobre o assunto.

CEO da CGD defende que a consolidação bancária vai decorrer “nos próximos dois anos”

A consolidação da banca poderá ser impulsionada pelos resultados dos bancos nos próximos trimestres, defendeu o CEO da CGD que considera que um banco público tem de ter dimensão para poder ser relevante no mercado. O BCP defende que a consolidação será cross border. Aumentos de capital para superar a crise? CEO do BCP e o CEO do BPI rejeitam que haja essa necessidade.

Novo Banco tem carteira de malparado de 100 milhões à venda

A revelação foi feita numa conferência para falar sobre a “banca do futuro”, organizada pelo Negócios, António Ramalho ironizou ao falar da carteira de NPL que está já à venda: “não se chama ‘Nata 3’ porque achámos por bem denominar isto com nomes mais ligados a jogadores de rugby. Que passou a estar na moda depois de este meu colega [Miguel Maya] ter lançado dois processos no mercado com base no rugby”.
Comentários