Sabe quanto paga ao banco em comissões abusivas? Há um simulador que ajuda no cálculo

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor diz-lhe quanto vai pagar a mais se a lei referente às comissões de processamento do crédito não mudar entretanto.

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) voltou a criticar as comissões bancárias abusivas, como as de processamento do crédito. O tema estará em debate no Parlamento em breve e a Deco garante que ajuda os portugueses a saberem quanto vão pagar a mais se a lei não mudar entretanto, através de um simulador.

“Pediu um empréstimo? Então, pagou para o banco pensar no assunto e para tomar a decisão. Foi aprovado? Além de pagar o que deve todos os meses, também vai ter de pagar para poder pagar a prestação. Parece-lhe absurdo? É a realidade de quem tem créditos. A comissão de processamento cobrada aos clientes com créditos não corresponde a qualquer serviço prestado, violando a legislação”, exemplificam os técnicos.

A Deco lembra que alguns bancos cobram uma comissão aos clientes sempre que estes pagam as prestações mensais dos seus créditos. Ou seja, são penalizados pelo facto de estarem a cumprir o contrato que assinaram com o banco, o que consideramos um abuso.

Em média, cada consumidor pode estar a pagar todos os meses  2,65 euros pela comissão de processamento da prestação, montante que aumentou 44% nos últimos cinco anos. Se contratou um crédito à habitação, a manterem-se estes valores, ao fim de 30 anos (duração média destes contratos), poderá ter pago, pelo menos, 954 euros a mais ao banco.

A estimativa da associação é a de que os bancos lucrem 285 milhões de euros por ano com processamento das prestações mensais de créditos.

Recomendadas

Governo anuncia linha de crédito de 50 milhões para microempresas de gestão de eventos

Os 50 milhões de euros foram anunciados pelo ministro da Economia no Parlamento, num exemplo de uma das áreas que, não sendo óbvia, enfrenta enormes dificuldades por orbitar em torno de um setor muito condicionado pela pandemia, o turismo. 20% dos 50 milhões de euros desta linha poderá passar a fundo perdido caso empresas mantenham o emprego no próximo ano.

Fórum para a Competitividade prevê queda do PIB até 12% este ano

Para o próximo ano, a entidade liderada por Pedro Ferraz da Costa antevê uma recuperação do PIB entre 5% e 6%.

UTAO prevê que medidas previstas pelo Governo tenham impacto menor no défice 

“O contributo direto das novas medidas permanentes para o saldo orçamental de 2021 ascende a –499,3 ME. No relatório do MF [Ministério das Finanças] este contributo mede –1.947,0 milhões de euros”, pode ler-se no documento divulgado esta quinta-feira.
Comentários