Sabe quanto paga ao banco em comissões abusivas? Há um simulador que ajuda no cálculo

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor diz-lhe quanto vai pagar a mais se a lei referente às comissões de processamento do crédito não mudar entretanto.

A Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor (Deco) voltou a criticar as comissões bancárias abusivas, como as de processamento do crédito. O tema estará em debate no Parlamento em breve e a Deco garante que ajuda os portugueses a saberem quanto vão pagar a mais se a lei não mudar entretanto, através de um simulador.

“Pediu um empréstimo? Então, pagou para o banco pensar no assunto e para tomar a decisão. Foi aprovado? Além de pagar o que deve todos os meses, também vai ter de pagar para poder pagar a prestação. Parece-lhe absurdo? É a realidade de quem tem créditos. A comissão de processamento cobrada aos clientes com créditos não corresponde a qualquer serviço prestado, violando a legislação”, exemplificam os técnicos.

A Deco lembra que alguns bancos cobram uma comissão aos clientes sempre que estes pagam as prestações mensais dos seus créditos. Ou seja, são penalizados pelo facto de estarem a cumprir o contrato que assinaram com o banco, o que consideramos um abuso.

Em média, cada consumidor pode estar a pagar todos os meses  2,65 euros pela comissão de processamento da prestação, montante que aumentou 44% nos últimos cinco anos. Se contratou um crédito à habitação, a manterem-se estes valores, ao fim de 30 anos (duração média destes contratos), poderá ter pago, pelo menos, 954 euros a mais ao banco.

A estimativa da associação é a de que os bancos lucrem 285 milhões de euros por ano com processamento das prestações mensais de créditos.

Recomendadas

BEI e Afreximbank com 300 milhões de euros para apoiar resposta africana

O Banco Europeu de Investimento (BEI) e o Banco Africano de Exportações e Importações (Afreximbank) anunciaram esta quarta-feira que vão atribuir um financiamento de 300 milhões de euros para o combate à pandemia da Covid-19 em África.

Linha de apoio a micro e pequenas empresas disponível a partir desta quarta-feira

Para se poderem candidatar, as empresas terão de apresentar uma quebra abrupta e acentuada de pelo menos 40% da sua faturação, e não poderão ter beneficiado das anteriores linhas de crédito com garantia mútua. A SPGM avisa que as empresas em dificuldades não podem ter sede em países ou regiões com regime fiscal mais favorável (‘offshore’)”.

Portugal concede moratória a Cabo Verde e a São Tomé e Príncipe sobre empréstimos diretos

A adoção desta medida de suspensão do pagamento de capital e juros vai determinar uma negociação, até setembro, de acordos de moratória com estes dois países africanos de língua oficial portuguesa, e o estabelecimento de novo plano e condições de empréstimos, refere o Governo.
Comentários