SAD do Benfica com lucro de 8,2 milhões no primeiro semestre da temporada

O resultado operacional, que inclui transferências de jogadores, é de 12,8 milhões de euros positivo, para os quais contribuiu a transferência de Ruben Dias para o Manchester City, por 68 milhões de euros.

Tiago Petinga/Lusa

A SAD do Benfica teve um resultado líquido positivo de 8,2 milhões de euros (ME) no primeiro semestre da temporada 2020/21, informaram esta sexta-feira os ‘encarnados’, que têm, pelo sétimo ano seguido, lucro na primeira metade da época.

De acordo com o Relatório e Contas do primeiro semestre (julho a dezembro), o Benfica manteve um resultado positivo, “apesar da não presença na fase de grupos da Liga dos Campeões e dos impactos associados à covid-19”.

O resultado operacional, que inclui transferências de jogadores, é de 12,8 milhões de euros positivo, para os quais contribuiu a transferência de Ruben Dias para o Manchester City, por 68 milhões de euros.

Nos primeiros seis meses da temporada, o passivo dos ‘encarnados’ subiu quase 100 ME (de 325,917 para 425,045), valor que é compensado pelo aumento do ativo (de 487,066 para 594,426).

Segundo os ‘encarnados’, o aumento do ativo é “principalmente explicado pelos investimentos realizados na equipa principal de futebol”, um esforço que se acaba por refletir no passivo, tal como o empréstimo obrigacionista de 50 ME.

Os rendimentos operacionais sem transações de direitos de atletas chegaram aos 53,5 milhões de euros, um decréscimo de 47,5% face ao período homólogo, o que é justificado, pelos ‘encarnados’, “pela inexistência de receitas com ‘match-day’ devido à realização de jogos sem público e pela redução dos rendimentos com prémios distribuídos pela UEFA”.

Apesar da quebra do valor recebido pela UEFA, devido à ausência da Liga dos Campeões, os rendimentos com os direitos televisivos ultrapassam os 37,1 milhões de euros e continuam a ser a principal fonte de receitas da SAD, excluído as transações de jogadores.

Ao nível dos rendimentos totais, já com a transferência de jogadores, estes são de 134,9 ME, menos 44,8% do que no período homólogo, que tinha sido influenciado pela transferência de João Félix para o Atlético de Madrid, por 120 ME.

A venda de jogadores rendeu à SAD ‘encarnada’ 77,5 ME, o que ajuda a que a SAD do Benfica tenha tido o segundo melhor semestre ao nível dos rendimentos totais.

Em relação ao futuro, a SAD do Benfica revela ter sido “um dos emblemas mais afetados pela covid-19”, mas “tem a convicção de que será ainda possível alcançar alguns dos objetivos iniciais da época”.

“A nível internacional, a qualificação para a Liga dos Campeões de 2021/22 permitirá regressar ao palco externo natural do Benfica e trará um impacto importante no equilíbrio económico desta sociedade. A nível interno, e apesar de uma situação presente contrária a todas as expetativas, o Benfica continua envolvido na disputa da Liga NOS e está a um passo da qualificação para a final da Taça de Portugal”, lê-se.

A SAD do Benfica refere ainda que, caso se mantenha a interdição do público nos estádios e tendo em conta a ausência ‘Champions’, “o ano será profundamente afetado pela diminuição de receitas, impossível de compensar com igual redução de custos”.

“Ainda assim, existem todas as condições para manter uma situação patrimonial que não ponha em risco os capitais próprios desta Sociedade, o que se deve, em muito, à política económico-financeira que foi seguida na última década”, refere o documento.

Ler mais
Recomendadas

Paragem da Liga portuguesa a 10 jornadas do fim com impacto significativo nas SADs na época passada, estima EY

De acordo com a análise de Miguel Farinha, partner e líder de Strategy and Transactions da EY, que consta da quarta edição do Anuário do Futebol Profissional Português, produzido pela EY, numa parceria com a Liga Portugal, este valor “fica aquém da real dimensão da indústria, uma vez que não contempla impactos indiretos e induzidos”.

Diminuição de receitas no futebol português reduziu contribuição para o PIB na época passada para 494 milhões (com áudio)

Em comparação com a temporada de 2018/19, e de acordo com o anuário da Liga, a época passada trouxe uma quebra de 55 milhões de euros na contribuição do PIB, com a seguinte distribuição pelas três Ligas consideradas: Liga NOS (480 milhões); Liga Pro (9 milhões) e Liga Portugal (5 milhões).

Futebol em Portugal pagou mais de 142 milhões de euros em impostos na época passada

Valor produzido em impostos representa uma diminuição de 4,8% face à temporada de 2018/19, época em que se registou uma contribuição a este nível de 150 milhões de euros.
Comentários