Saiba o que muda com a nova etiqueta energética

Uma boa escolha permite contribuir para uma maior sustentabilidade ambiental e diminuir os valores nas faturas de eletricidade.

A etiqueta energética é uma ferramenta que permite aos consumidores analisar e comparar a eficiência de cada eletrodoméstico, como frigoríficos, televisores, máquinas de lavar, e diversos outros artigos.

Uma boa escolha permite contribuir para uma maior sustentabilidade ambiental e diminuir os valores nas faturas de eletricidade.

Temos hoje no mercado uma nova etiqueta energética, que, embora divulgada já em 2020, ao longo deste ano será definitivamente aplicada a todos os eletrodomésticos. Desde 1 de março de 2021 que a nova etiqueta começou a ser apresentada em máquinas de lavar loiça e roupa, frigoríficos e congeladores e até 1 de setembro será aplicada nas fontes de iluminação.

Quais são as grandes diferenças entre esta e a antiga etiqueta?

  • A nova escala energética é caracterizada de A a G, desaparecendo as classes “+”.
  • A colocação de um QR que permite que os consumidores obtenham mais informação sobre os aparelhos em causa, bastando para isso ler o código com recurso a um smartphone.
  • A apreciação em relação ao consumo energético varia agora consoante cada tipo de eletrodoméstico. Por exemplo, no caso dos frigoríficos apresenta um consumo indicado de caracter anual, já nas máquinas de lavar loiça e roupa referem-se a um consumo por 100 ciclos e nos ecrãs e lâmpadas indicam um consumo por 1000 horas de utilização.
  • Em relação ao desempenho e características dos eletrodomésticos, os pictogramas, ou seja, os símbolos apresentados na etiqueta poderão variar e apresentar uma escala de A a D.

Procure-nos em: DECO MADEIRA na Loja do Munícipe do Caniço, Edifício Jardins do Caniço loja 25, Rua Doutor Francisco Peres; 9125 – 014 Caniço; deco.madeira@deco.pt; ou contacte-nos para o número: 968 800 489.

Recomendadas

DECO junta-se ao REFIL para incentivar reutilização de embalagens

Apesar de já se encontrar previsto o comércio de bebidas em embalagens reutilizáveis e de produtos a granel, os consumidores ainda não beneficiam de um mercado que lhes permita adquirir, nestes moldes, produtos de limpeza e higiene pessoal, forçando-os a optar por novas embalagens e aumentando, assim, a sua produção de resíduos, colocando em causa as metas portuguesas da sustentabilidade.

Fim da isenção de ISV para ligeiros de mercadorias recebida com desagrado pela ACAP

A Associação Automóvel de Portugal recebeu com desagrado o fim da isenção do Imposto sobre Veículos de mercadorias a partir de julho, medida que aumentará os custos em cerca de 3 mil euros, apenas em ISV.

Portugal com 6.º preço de gasolina mais caro da UE no primeiro trimestre

A carga fiscal aplicada em Portugal (63%) justificou integralmente a menor competitividade dos preços, tendo praticado um valor superior à média registada na UE (60%), em Espanha (55%), na Alemanha (61%) e na Bélgica (62%).
Comentários