Saiba qual é o supermercado mais barato (e mais caro) na sua região

Jumbo recupera a liderança entre as cadeias de supermercados com preços mais em conta, mas nada como ver qual a melhor opção concelho a concelho. Poupanças podem chegar às centenas de euros por ano.

Os supermercados Jumbo lideram a lista das cadeias de supermercados que oferecem preços mais baixos em Portugal, divulgada esta semana, pela Deco – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor. A lista é feita com base nos preços recolhidos entre setembro e novembro de 2017.

A marca portuguesa do grupo francês Auchan recuperou o título de supermercado líder no preçário, depois de o ter conquistado em junho e de o ter perdido para o Continente Modelo e o Continente, que agora figuram em segundo e terceiros lugares, pela mesma ordem.

No Jumbo, para uma família que gasta 150 euros por mês nas grandes superfícies comerciais, a poupança pode atingir os 250 euros anuais, segundo os cálculos da Deco, feitos através da investigação a 110.290 preços de um cabaz selecionado com 141 produtos em 70 concelhos nacionais.

Por exemplo, no Lidl e no Minipreço o consumidor dispende mais 14% do que no Jumbo. À semelhança do líder, o Pingo Doce também subiu um lugar face ao último estudo – em outubro, o custo médio do cabaz era 10% mais caro do que a cadeia mais barata e, neste momento, a diferença é só de 7%.

ranking das cadeias mais baratas em Portugal é elaborado através da análise às que estão presentes em, pelo menos, dez distritos. As lojas que vendem os produtos do cabaz selecionado por um preço inferior ficam com melhor classificação (a mais barata obtém índice 100). Quanto às restantes, vão registando índices superiores (cada ponto acima de 100 significa que o mesmo cabaz fica 1% mais caro).

Para perceber se as cadeias de supermercados mais baratas a nível nacional correspondem igualmente às mais baratas da região [distrito e concelho] em que vive, clique aqui.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: Quem comprou mais casas em Portugal em 2017?

No ano passado, o número de imóveis transacionados aumentou 13,5% face ao ano anterior, com o valor global a crescer 33,5%, fruto das transações de prédios urbanos, que aumentaram 17,2% em número e 34,1% em valor (14%, de 119 mil euros em 2016 para 136 mil euros).

Taxas Euribor mantêm-se a três meses e sobem a seis, nove e 12 meses

A Euribor a três meses, em valores negativos desde 21 de abril de 2015, manteve-se hoje em 0,317%, contra o atual mínimo de sempre, de -0,332%, registado pela primeira vez em 10 de abril de 2017.
Comentários