Salário mínimo sobe para 580 euros em janeiro

Salário mínimo cresce 4,1%. Reunião da concertação social terminou sem acordo.

O salário mínimo nacional vai aumentar para 580 euros a partir de janeiro de 2018, uma subida de 4,1% definida hoje em reunião de concertação social, que terminou sem acordo.

O Governo propôs uma subida do salário mínimo dos atuais 557 euros para 580, mais 23 euros, o que representa um aumento de 4,1%.

A Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) defendia um aumento do salário mínimo para os 600 euros, mais 43 euros, o que representaria uma subida de 7,7%. A central sindical entendia que os 580 euros propostos pelo Governo de António Costa eram apenas “uma base de partida para chegar aos 600 euros no início de 2018.

Vieira, ministro do Trabalho e da Segurança Social, dirigiu-se aos jornalistas no final da reunião e esclareceu que, por parte dos empregadores, “foram feitas reivindicações que eram impossíveis de satisfazer para que se concretizasse o acordo”. O ministro manifestou a preocupação de que os salários possam acompanhar a evolução positiva da economia portuguesa.

No final da reunião, Arménio Carlos, responsável máximo da CGTP, realçou que “o processo para o aumento do salário mínimo nacional termina hoje” e que “independentemente de haver acordo ou não, o Governo vai cumprir” este aumento.

Do lado dos patrões, António Saraiva, líder da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), considerou que “nem patrões nem sindicatos saíram satisfeitos” e que “há muito a discutir no que diz respeito à competitividade das empresas”. Para António Saraiva, a carga burocrática “continua a ser agravada e está-se a agravar os custos das empresas”, sendo que o responsável da CIP admite mesmo que “é a competitividade que está em causa”.

João Vieira Lopes, representante da Confederação do Comércio e Serviços, lamentou que tivessem ficado temas “por discutir” como é o caso dos contratos públicos e da formação profissional”.

 

 

 

 

Ler mais

Relacionadas

Respostas rápidas: O que esperar da reunião de hoje da Concertação Social?

O Governo vai reunir-se esta terça-feira com os parceiros sociais para discutir o valor do salário mínimo para o próximo ano. Saiba o que se pode esperar dessa reunião.

UGT diz que “empresas já podem suportar maiores esforços” e aumentar salário mínimo

O sindicato dos trabalhadores entende que a revisão salarial é “viável” e que, tendo em conta o quadro económico atual, é uma proposta “adequada e necessária”.

Arménio Carlos: “Não abdicamos de salário mínimo de 600 euros”

A CGTP vê os 580 euros propostos pelo Governo no último encontro da Concertação Social como uma “base de partida para chegar aos 600 euros no início de 2018”.

SMN: CGTP leva proposta de aumento para 600 euros para a reunião de concertação social

Para a CGTP, urge aumentar o salário mínimo nacional (SMN) para 600 euros já a partir de 1 de janeiro de 2018.
Recomendadas
antónio_costa_silva_partex_5

Costa Silva não vai ser remunerado para coordenar programa de recuperação do Governo

O gestor já foi oficialmente nomeado para preparar o Programa de Recuperação Económica e Social 2020-2030.

Bruxelas lança segunda fase da consulta aos parceiros sociais sobre “salário mínimo justo”

O objetivo é avançar depois de setembro para as negociações entre os parceiros sociais para a “celebração de um acordo” nos termos previstos nos Tratados ou a apresentação de uma proposta pelo executivo comunitário. Entre os objetivos está a eliminação ou limitação das variações e isenções ao salário mínimo.

Atrasos no pagamento de pensões continuam a penalizar IRS de reformados, diz Provedora

Continuam a aumentar as queixas de atraso em pagamentos de abonos ou pensões que acabam por levar os contribuintes a pagar mais IRS com a subida de escalão derivada do englobamento de rendimentos no ano em que recebem as prestações em atraso. De 2018 para 2019, as queixas de atraso do Centro Nacional de Pensões (CNP) quase duplicaram aumentaram de 923 para 1.721.
Comentários