“Salário mínimo tem como objetivo aumentar condições de vida dos trabalhadores”, afirma Ana Mendes Godinho

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Nacional refere que o objetivo do Governo passa por “encontrar um valor equilibrado que permita corresponder ao objetivo e meta para tentar atingir em 2023 os 750 euros de salário mínimo nacional”.

Ana Mendes Godinho afirma que “osalário mínimo tem também um objetivo claro de ser instrumento de politica de aumento das condições de vida dos trabalhadores”. Em entrevista esta quarta-feira na TVI24, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Nacional, assumiu ainda que “o objetivo do Governo passa por “encontrar um valor equilibrado que permita corresponder ao objetivo e meta para tentar atingir em 2023 os 750 euros de salário mínimo nacional.

Questionada sobre a reunião de hoje em Concertação Social, Ana Mendes Godinho assumiu que “a grande preocupação que tivemos desde inicio é assumir a importância da Concertação Social para a discussão das matérias de rendimentos e política de competitividade”.

Como tal, a ministra do Trabalho salienta que foi necessário “encontrar um espaço para ouvir e debater os vários parceiros sociais sobre as posições e perspetivas do salário mínimo, percebendo que havia propostas muito diferentes”.

Valor 635 euros

Já sobre o aumento do salário mínimo para os 635 euros, Ana Mendes Godinho, indica que “a Concertação Social tem um objetivo comum e que foi assumido por todos os parceiros que é o objetivo da valorização dos salários e um acordo global sobre rendimentos”, acrescentando que “queremos implementar medidas que correspondam à ambição do país. Criámos mais de 86 mil postos de trabalho”.

Contrapartida aos patrões

Em relação às contrapartidas a serem dadas aos patrões a ministra do Trabalha realça que “todos os parceiros sociais entenderam que para a determinação deste valor do salário mínimo para 2020, não haveria qualquer contrapartida, nem para a fixação do salário mínimo ao longo destes quatro anos”.

Já “diferente é o acordo que procuramos encontrar em termos de política global de rendimentos e competitividade, onde o objetivo é criar instrumentos para que a economia continue a crescer”, refere Ana Mendes Godinho.

A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Nacional assume que o Governo está “a tentar a recuperar prémio salarial para jovens licenciados e a reposição da capacidade de rendimento”, frisando que “há uma grande necessidade de melhorar a relação Estado-Cidadãos-Empresas”.

A finalizar, Ana Mendes Godinho delineou outro objetivo do Executivo que passa por “repor o peso que os salários tinham em termos de PIB, destacando que houve perda real do poder de compra dos portugueses”.

Ler mais
Relacionadas

António Costa garante que aumento do salário mínimo não implica contrapartidas para os patrões

Deputado do PEV José Luís Ferreira questionou o primeiro-ministro quanto à existência de medidas que “empurrem para os contribuintes” o custo da atualização do valor.

Subida do salário mínimo dá mais 31,15 euros líquidos por mês aos trabalhadores

A subida do salário mínimo para 635 euros em 2020, que consta da proposta apresentada esta quarta-feira pelo Governo aos parceiros sociais, vai traduzir-se num aumento líquido de 31,15 euros por mês, segundo a consultora EY.

Bloco quer valorização de salários que não fique “refém” da concertação social

O primeiro-ministro garantiu que não ficará dependente dos parceiros sociais, mas ignorá-los “nunca”.
Recomendadas

Autarcas de Tondela acusados de peculato e falsificação de documento

O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, e o seu vice-presidente, Pedro Adão, do PSD, foram acusados pelo Ministério Público de crimes que terão ocorrido entre 2010 a 2017.
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo Rebelo de Sousa adverte que quem quer a regionalização não deve precipitar-se

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, advertiu esta quinta-feira que quem quer a regionalização do país não deve precipitar-se, considerando que “é preciso não cometer erros de percurso”.

António Costa e Netanyahu analisam formas de cooperação na investigação científica

Os primeiros-ministros de Portugal, António Costa, e de Israel, Benjamin Netanyahu, analisaram esta quinta-feira formas de cooperação na investigação científica, designadamente em projetos para o aproveitamento da água, disse à agência Lusa fonte oficial do executivo português.
Comentários