Salários da Função Pública: “Não há condições para 1% de aumento”, diz ministra

A ministra da Administração Pública disse em entrevista à Antena 1/ Jornal de Negócios que a pandemia da Covid-19 impediu o Governo de aumentar os salários da Função Pública.

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública | Cristina Bernardo

O Governo diz que “não há condições” para aumentar os salários na Função Pública em 2021. A ministra da Modernização Administrativa e da Administração Pública disse que a pandemia da Covid-19 e a consequente crise económica deitou por terra a intenção do Governo de aumentar os salários da administração pública no próximo ano.

“Se tudo corresse normalmente haveria condições para 1% de aumento transversal, não há essas condições. Num contexto em que há pessoas a perder o emprego, acho que do ponto de vista da própria solidariedade entre trabalhadores seria difícil defender um aumento transversal para os trabalhadores da função publica”, afirmou Alexandra Leitão em entrevista à Antena 1/Jornal de Negócios.

A ministra relembrou que em 2019 nas negociações para o Orçamento do Estado deste ano “verificou-se que havia uma folga”, mas que a situação este ano é “muito diferente”.

“Todos compreendemos que na situação atual em que nos esforçamos por evitar perda de emprego, em que há desemprego, garantir postos de trabalho, não conseguimos ir além da proteção dos rendimentos, e da base da tabela remuneratória a acompanhar a subida do salário mínimo”, afirmou a ministra.

“É sempre possível que as coisas corram melhor durante a negociação ou no âmbito do Orçamento. Foi isto que propusemos aos sindicatos, foi isso que já conversámos com eles. Cumprindo as regras de negociação previa à entrega do OE. Neste momento, não consigo adiantar mais”, segundo Alexandra Leitão.

Recomendadas

OE2021: Aprovada proposta para pagamento em prestações de IVA e IRC até 15 mil euros

A medida aplica-se apenas a tributos cujo valor no momento do requerimento e a pagar em prestações seja inferior a 15.000 euros.

Aprovada proposta que remete concurso do ‘IVAucher’ para fiscalização à posteriori do TdC

Em causa está um mecanismo, apelidado de ‘IVAucher’, que permite ao consumidor final acumular o valor correspondente à totalidade do IVA suportado em consumos nos setores do alojamento, cultura e restauração, durante um período (12 semanas) e utilizar esse valor, durante as 12 semanas seguintes, em consumos nesses mesmos setores.

Receita fiscal do Estado com quebra homóloga de 2,8 mil milhões até outubro

Esta evolução da receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado, assinala a DGO, reflete de forma evidente os efeitos da pandemia de covid-19.
Comentários