Salários da Função Pública: “Não há condições para 1% de aumento”, diz ministra

A ministra da Administração Pública disse em entrevista à Antena 1/ Jornal de Negócios que a pandemia da Covid-19 impediu o Governo de aumentar os salários da Função Pública.

Alexandra Leitão, ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública | Cristina Bernardo

O Governo diz que “não há condições” para aumentar os salários na Função Pública em 2021. A ministra da Modernização Administrativa e da Administração Pública disse que a pandemia da Covid-19 e a consequente crise económica deitou por terra a intenção do Governo de aumentar os salários da administração pública no próximo ano.

“Se tudo corresse normalmente haveria condições para 1% de aumento transversal, não há essas condições. Num contexto em que há pessoas a perder o emprego, acho que do ponto de vista da própria solidariedade entre trabalhadores seria difícil defender um aumento transversal para os trabalhadores da função publica”, afirmou Alexandra Leitão em entrevista à Antena 1/Jornal de Negócios.

A ministra relembrou que em 2019 nas negociações para o Orçamento do Estado deste ano “verificou-se que havia uma folga”, mas que a situação este ano é “muito diferente”.

“Todos compreendemos que na situação atual em que nos esforçamos por evitar perda de emprego, em que há desemprego, garantir postos de trabalho, não conseguimos ir além da proteção dos rendimentos, e da base da tabela remuneratória a acompanhar a subida do salário mínimo”, afirmou a ministra.

“É sempre possível que as coisas corram melhor durante a negociação ou no âmbito do Orçamento. Foi isto que propusemos aos sindicatos, foi isso que já conversámos com eles. Cumprindo as regras de negociação previa à entrega do OE. Neste momento, não consigo adiantar mais”, segundo Alexandra Leitão.

Recomendadas

‘Falcões’ vs ‘pombas’ no BCE. Lagarde vai dar sinal forte, mas tensões devem adiar estímulos

O banco central da zona euro está novamente dividido entre os que querem mais estimulos já e os que preferem aguardar. Christine Lagarde tem espaço de manobra e deverá aguardar até dezembro, quando tiver novas projeções e melhor visão sobre riscos politicos. A mensagem de hoje deverá ser, portanto, de promessa de agir face ao aumento de riscos.

Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quinta-feira

O tema em destaque nesta quinta-feira é a reunião com os governadores do Banco Central Europeu. Na Assembleia da República o dia ficará marcado pelas audições ao Tribunal de Contas e ao ministro da Ciência sobre o Orçamento do Estado para 2021. O INE vai publicar estatísticas relativamente às empresas, ao turismo e desemprego.

Corrida à liderança da OCDE gera tensões entre EUA e Europa

A nomeação para o cargo poderá, segundo alguns analistas e políticos próximos da organização, definir o futuro da globalização. As diferentes preferências europeias e americanas podem levar a mais um foco de tensão entre os dois blocos, sendo que, caso Joe Biden vença, levanta-se a questão sobre a sua escolha para o cargo, que deverá diferir da expressa pelo presidente Trump.
Comentários