“Salários dos avaliadores têm de subir urgentemente”

Numa altura em que o setor imobiliário cresce de forma expressiva em Portugal, o responsável máximo da associação explica que o mesmo não se aplica ao vencimento dos peritos avaliadores.

Fundada em 2010, a Associação Profissional das Sociedades de Avaliação (ASAVAL) representa fundamentalmente as sociedades de avaliação que operam em Portugal. Atualmente, o grupo engloba cerca de dois terços das avaliações que são realizadas para o setor financeiro, sendo membro e representando o TEGoVA (The European Group of Valuers’ Associations), que agrega 76 associações de 37 países, num total de mais de 70 mil avaliadores.

O TEGoVa regista duas acreditações profissionais, reconhecidas a nível europeu: o REV (Recognised European Valuer) e o TRV (TEGoVA Residential Valuer), com a ASAVAL a atribuir também esse reconhecimento em Portugal, tendo já 40 peritos acreditados.

Paulo Barros Trindade é o presidente desta associação que realiza cerca de 150 mil avaliações anuais para a área financeira. Em entrevista ao Jornal Económico, o perito avaliador fala no papel da empresa que “representa peritos avaliadores de imóveis, onde fazemos as avaliações na sua maioria para o setor financeiro, que é o nosso principal cliente”.

Para garantir a total independência dessa avaliação, a ASAVAL “tem um código de ética e deontologia que define todas as questões de conflitos de interesse, de isenção, de imparcialidade”, explicando em que situações a empresa é chamada a intervir. “Pode ser na fase da aquisição do imóvel e, antes da pessoa tomar uma decisão, quer ter uma opinião avalizada e fundamentada. Podemos entrar numa fase posterior, onde a pessoa vai fazer o seu empréstimo ao banco para adquirir o imóvel, e nós entramos para efeito de uma garantia que vai ser constituída desse empréstimo, que está a adquirir junto de um banco”, afirma.

Sobre o elevado preço atual das casas, o presidente da ASAVAL destaca a importância do perito avaliador saber “traduzir aquilo que se passa no mercado”, até porque “se o mercado está numa perspetiva de evolução positiva de valores, temos de estar por dentro de como é que essa evolução se está a proceder, para podermos atribuir o valor correto ao imóvel”, afirma o responsável, que vê no mercado nacional uma “preocupação”, no sentido dos portugueses saberem avaliar o seu património da melhor forma.

“Há neste momento uma preocupação de quem tem património em tentar perceber quanto é que ele vale, tentar colocá-lo, ou pelo menos uma parte, no mercado para aproveitar a dinâmica que ele tem”, sublinha. Apesar desta ser uma área de atividade considerável, Paulo Barros Trindade não vê a necessidade da criação de uma Ordem dos Avaliadores Imobiliários. “Não temos dimensão para a existência de uma ordem de avaliadores. É importante que as associações continuem a fazer o trabalho que têm estado a desenvolver, no sentido de criar melhores condições no desenvolvimento da atividade e dela poder ser exercida”, refere.

Uma das queixas apresentadas por esta associação prende-se com o tempo definido para a realização de uma avaliação. “Com esta aceleração que houve no setor financeiro, começou-se novamente a reduzir os prazos de entrega das avaliações para 48 horas. Esse tempo não é compatível com um trabalho decente e de qualidade para ser feito por um perito. Defendemos que devemos ter pelo menos um prazo de quatro a cinco dias para fazer uma avaliação”, destaca Paulo Barros Trindade, que revela um sentimento de injustiça face às remunerações que um perito avaliador recebe.

“Numa fase em que estamos a recuperar em termos económicos (os preços das casas sobem), mas na área dos avaliadores ainda não existe essa retoma (salarial). Os salários têm que acompanhar essa responsabilidade e têm de ser urgentemente atualizados”, dando como exemplo o trabalho “mais básico” de um apartamento, onde “o valor de referência de 150 euros seria justo e neste momento andará por metade (por avaliação)”, afirma o secretário-geral da ASAVAL, Carlos Calvário.

Uma situação que, para ser alterada, depende, na sua opinião, das “sociedades de avaliação começarem a vincar que, para fornecermos um serviço de qualidade, temos de ser ressarcidos do mesmo e de forma compatível. E passa também pelos clientes do setor financeiro reconhecerem, que se querem qualidade, tem de ser paga, e que já passámos o período da pior crise dos últimos anos”, sublinha o perito avaliador, que na sua profissão assegura fornecer quatro elementos: conhecimento, qualificação, confiança e responsabilidade.

Ler mais

Relacionadas

Alojamento Local: estas são as 8 tendências que marcam o mercado

Em Portugal, os proprietários de uma residência secundária são maioritariamente portugueses (81%), o que coloca Portugal no 3ª lugar no ranking dos que mais alugam as suas residências secundárias.

Casas em Lisboa estão a ser vendidas até 35% acima da avaliação bancária

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que os preços dispararam, em média, 12,2% no primeiro trimestre deste ano em comparação com os preços praticados no ano passado.
Recomendadas

Covid-19: ‘Chef’ Vítor Sobral vai “acender uma velinha a Nossa Senhora de Fátima” para pagar salários

O Grupo Quina emprega cerca de 120 funcionários. Dois restaurantes foram encerrados, outros dois estão a funcionar em regime de ‘take away’, assim como as padarias. Vítor Sobral garante salários neste mês de março, mas não sabe como será no mês de abril.

“Queremos estar na linha da frente para relançar a economia nacional”, assegura vice-presidente da IP

Segundo os dados mais recentes fornecidos pela gestora da rede ferroviária nacional ao Jornal Económico, 63% das obras previstas no pano Ferrovia 2020 estão em andamento ou já foram finalizadas, um aumento face aos 52% neste estado que se verificavam em fevereiro deste ano. Estão mais de 800 milhões de euros em obra.

CGTP considera que apoios às empresas e famílias negligenciam “questões essenciais”

“A procura interna e o consumo das famílias, não só no atual período, como na fase que se vai seguir, serão determinantes para relançar a economia, promover emprego e assegurar que os bens e serviços das empresas são vendidos”, sustenta a intersindical.
Comentários