Saldo conjunto das balanças corrente e de capital cai para 1.209 milhões em novembro

O saldo conjunto das balanças corrente e de capital fixou-se, até novembro, nos 1.209 milhões de euros, menos de metade dos 3.415 milhões de euros obtidos no período homólogo, divulgou hoje o Banco de Portugal (BdP).

O saldo conjunto das balanças corrente e de capital fixou-se, até novembro, nos 1.209 milhões de euros, menos de metade dos 3.415 milhões de euros obtidos no período homólogo, divulgou hoje o Banco de Portugal (BdP).

“Para a redução do saldo contribuíram todas as componentes, à exceção da balança de rendimento primário”, sinalizou o BdP em comunicado.

Segundo o organismo, o défice da balança de bens aumentou 1.622 milhões de euros face ao período homólogo e o excedente da balança de serviços diminuiu 507 milhões de euros.

Nos primeiros 11 meses do ano, as exportações de bens e serviços cresceram 3,1% (2,8% nos bens e 3,6% nos serviços) e as importações aumentaram 5,8% (4,7% nos bens e 11,1% nos serviços), acrescentou.

O défice da balança de rendimento primário, por sua vez, diminuiu 311 milhões de euros relativamente ao período homólogo, para -3.981 milhões de euros.

“Esta variação resultou, principalmente, da redução dos juros pagos a entidades não residentes”, justifica o BdP.

Até novembro de 2019, o saldo da balança financeira registou um aumento dos ativos líquidos de Portugal face ao exterior no valor de 1.765 milhões de euros.

Para este resultado, sinaliza, contribuiu o investimento do setor financeiro, exceto Banco Central, em dívida pública emitida por países da União Monetária.

Em sentido contrário, é de salientar o investimento de não residentes em sociedades não financeiras residentes e em obrigações do tesouro emitidas por Portugal, acrescenta.

Ler mais

Recomendadas

Avaliação da ‘performance’ de uma estratégia de investimento

O retorno de uma estratégia de investimento tem sempre de ser ajustado ao risco incorrido. Esta é a primeira consideração de uma avaliação.

Do ministério das Finanças para governador do Banco de Portugal? “Já houve três precedentes, todos do PSD”

As passagens diretas entre o Terreiro do Paço e o supervisor bancário aconteceram durante os governos de Cavaco Silva, recordou Marques Mendes que garante que Mário Centeno vai assumir o cargo de governador ainda este ano. Dos três nomeados, apenas Miguel Beleza era ministro.

PremiumMargarida Marques: “A última coisa que queremos é um conflito institucional”

Correlatora para o Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 diz que o Parlamento Europeu não terá problemas em rejeitar proposta do Conselho Europeu, mas espera avanços após cimeira extraordinária.
Comentários