Santander assessorou EDP na venda de central térmica e parte da carteira comercial em Espanha

O Santander Corporate & Investment Banking é o assessor financeiro da EDP na venda de central térmica e parte da carteira comercial em Espanha. Um negócio que está avaliado em 515 milhões de euros.

O Santander Corporate & Investment Banking é o assessor financeiro da EDP na venda de central térmica e parte da carteira comercial em Espanha. Um negócio que está avaliado em 515 milhões de euros.

Em comunicado, o banco especifica que “atuou como assessor financeiro exclusivo da EDP na venda de dois grupos da central de ciclo combinado de Castejón e do negócio comercial de B2C no mercado espanhol”.

Tal como foi comunicado ao mercado, a EDP assinou ontem contrato com a Total para a venda de dois grupos da central de ciclo combinado de Castejón (na região de Navarra), com 843 MW de potência, e do negócio comercial de B2C (clientes residenciais) em Espanha, que conta com 1,2 milhões de clientes no mercado liberalizado.

“O negócio, avaliado em 515 milhões de euros, envolve ainda a venda da participação de 50% na CHC Energia, joint-venture com a CIDE para comercialização de energia neste segmento”, diz a nota.

A concretização da venda destes ativos deverá acontecer no segundo semestre de 2020, estando sujeita às devidas aprovações das entidades reguladoras.

Esta transação enquadra-se no Plano Estratégico 2019-2022 do grupo EDP, e vem ao encontro dos objetivos estratégicos da EDP de redução do seu portfolio de ativos de geração térmica e de redução da sua exposição à volatilidade dos preços no mercado grossista.

EDP encaixa 515 milhões com venda de central térmica e parte da carteira comercial em Espanha à Total

Ler mais
Relacionadas

EDP encaixa 515 milhões com venda de central térmica e parte da carteira comercial em Espanha à Total

A energética sublinhou que a operação “reforça o perfil de baixo risco da EDP, ajudando a reforçar o peso das atividades contratadas e reguladas de longo prazo no EBITDA e a acelerar a desalavancagem financeira, permitindo assim uma melhoria nos resultados”.
Recomendadas

PremiumSérvulo reforça Direito Europeu e Concorrência

Os professores Victor Calvete e Inês Quadros juntaram-se à equipa de Direito Europeu e Concorrência do escritório liderado por Paulo Câmara. Objetivo é “pôr ao serviço dos clientes aquilo que a vida académica oferece, tempo e distância para reflexão”.

Empresas portuguesas podem pagar menos impostos em Angola

O governo angolano considera que o objetivo fundamental das alterações fiscais é “tornar ou desonerar a carga fiscal nos rendimentos mais baixos, conservar ou manter a carga fiscal dos rendimentos de escalões intermédios e introduzir progressividade nos rendimentos mais altos”.

PremiumBCG vai medir maturidade digital das empresas nacionais

A consultora prepara-se para lançar um novo estudo na área da tecnologia, em parceria com a Nova SBE e a Google, para medir o pulso digital das organizações.
Comentários